Endométriose, o Que É

Endométriose, o Que É

Endométriose, o Que É

Endométriose: Uma Doença Que permanece Enigmatica

1 Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital Universitário San Juan, 03550 Alicante, Espanha
2 Departamento / Divisão de Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade Miguel Hernandez, Campus de San Juan, 03550 Alicante, Espanha
3 Instituto de Ginecologa P.A.A. 03002 Alicante, Espanha
4 Departamento / Área de Ginecologa, Facultad de Medicina de la Universidad Miguel Hernndez, Campus de San Juan, 03550 Alicante, Espanha

Editores Acadêmicos: I. Diez-Itza, A. Martin-Hidalgo, e J. Olsen

Abstrato

1. Introdução

A endométriose NÃO apresenta Sinais OU síntomas patognomônicos e POR ISSO e Difícil de diagnosticar. Faça MESMO modo, NÃO Existe ACTUALMENTE QUALQUÉR terapia satisfatória Para Todos OS PACIENTES COM endométriose. Atualmente, como terapias parágrafo endométriose São controversos, Porque ELES PODEM melhorar a dor e Infertilidade, mas Eles Não curam a Doença. Histerectomia com o dobro anexectomia E o Único Método Cirúrgico Que Elimina uma Doença, mas ê indesejável UO contra-indicada em Pacientes Jovens UO as Mulheres Que PODEM Um Dia desejam engravidar. A Cirurgia Conservadora via laparotomía OU laparoscopia E geralmente USADO parágrafo gerenciar cessos patients E E MUITAS vezes combinada com o Tratamento hormonal, that also E controversa.

A Unica Certeza Sobre a endométriose E QUE É UMA Doença EM Mulheres de e em Alguns Primatas menstruadas. Emery Wilson afirmou that um endométriose continua a Uma Ser charada embrulhada num Mistério Dentro de hum enigma [2].

2. Históricos Dados

Ao Longo dos últimos 30 anos, numerosas Publicações Que tratam da Doença Complexa TEM-SE CENTRADO Sobre a Infertilidade Associada à endométriose e OS MECANISMOS Diferentes etiopatogênicos e fisiopatológicos envolvidos na SUA biologia Enigmatica, Bem Como A Concepção de Novas terapias Médicas.

3. A Importância do Problema

Da endométriose continua a Ser Uma Doença apesar controversa (1) ser Uma Condição Bem conhecido that afecta hum grande Número de Mulheres; (2) Atuais avanços Científicos e Tecnológicos, inúmeras Linhas de Pesquisa e Pesquisadores Que tratam a Doença; e (3) a existencia de hum jornal e Vários Congressos Internacionais Regulares Dedicados especificamente à Doença.

Da MESMA forma, Oppelt et ai. [20] estimou Que o encargo Financeiro dos custódio de internação Para o Tratamento da endométriose na Alemanha, em 2006. Um total de 20,835 de patients were Admitidos nenhum hospital Para o Tratamento de Dinamarca endométriose (1,27 POR 1.000 Mulheres em Idade reprodutiva). O Custo Médio POR Paciente foi Estimado em 3,056.21. custódio OS hospitalares Totais Para o Tratamento da endométriose, EM 2006 were Estimados EM 40.708.716. O Procedimento Cirúrgico Mais Realizado no Tratamento de endométriose foi histerectomia (24,70 DOS Casos). Prast et ai. [21] realizaram ESTA MESMA Análise de Custo na Áustria. custódio OS MEDIOS Anuais de hum Caso de endométriose São 7.712, COM 5.605 atribuível AOS custódio diretos e 2.106 parágrafo OS CUSTOS indirectos. Este Relatório Financeiro indica UM encargo Económico global de 328 Milhões. Cuidados de internamento (45) e Perda de Produtividade (27) were identificados Como OS principais Factores de Custo. OS PROPRIOS patients Pagar POR 13 DOS CUSTOS Médicos (despesas out-of-pocket). O fardo económico global de endométriose em Áustria E ACTUALMENTE comparável à da Doença de Parkinson [21].

laparoscopia Cirúrgico, com ressecção intestinal E UMA Prática frequentemente realizada Hoje. O Procedimento de e descrito num grande Número de Publicações, Como hum Tratamento Para um endométriose profunda infiltrantes (DIE). Os avanços Tecnológicos e Diagnósticos Tem contribuído parágrafo hum aumento da utilização Deste Procedimento Nos Últimos ano. No entanto, o Sofrimento Pessoal e o Custo do Processo DEVE Ser pesada Durante a execução, especialmente when o Procedimento E Realizado em Mulheres Jovens. Finalmente, Quando Utilizado rotineiramente, o diagnóstico laparoscópica PODE Ser caro; O Nosso grupo APENAS Realiza este tipo de Cirurgia em Mulheres Que Tem endométriose Mínima OU leve QUANDO E Necessário Para diagnosticar (e TRATAR) Uma Possível Infertilidade Associada à Doença.

Deste Ponto em Diante, Podemos citar OS Aspectos Mais Relevantes e controversos da endométriose e Possíveis Futuras terapias Para esta Doença.

4. Tipos, Localização e Morfologia da endométriose

4.1. Morfologia macroscópica
4.2. microscópicos Aspectos

Em Amostras histológicas, um terço dos Casos Típicos endométriose Clínicos NÃO mostram nenhuma Camada de Tecido endometrial, mas hum grande Número de leucócitos, macrófagos e histiócitos, hemossiderina contendo (OU siderófagos) em hum Importante Componente conjuntivo. This lesão E TAMBÉM reconhecido Como endométriose e E UMA CONSEQÜÊNCIA da descamações menstruais repetidas e pressao Sobre a lesão devido à retenção de sangue na cavidade cística.

vasos do estroma PODEM Conter trombos Que causam Uma área enfartada e, Por conseguinte, um auto-Destruição da lesão de endométriose. Por conseguinte, como Células remanescentes poderão Mostrar núcleos picnóticos semelhantes a endométriose atípico. De Estes núcleos picnóticos, na Verdade, PODE Ser endométriose Atípica com hum sobre-Expressão da proteína p53. Da MESMA forma, Uma metaplasia escamosa OU UM epitélio uterino tubular (endosalpingiosis) PODE SER Encontrado EM página Outros Casos.

5. Histogênese

Nisolle e Donnez [35] propõe Três Tipos de lesões de endométriose: peritoneal, ovário e reto-vaginal. DEPOIS de analisar essas lesões, that propos Uma Teoria diferente de histopatogênese: menstruação retrógrada Pará um endométriose peritoneal, mesodermal Mllerian descansa POR nódulos de endométriose retovaginais e histogênese metaplásico parágrafo lesões de endométriose fazer ovário. No entanto, a menstruação retrógrada e A Teoria Mais amplamente Aceita. A fagocitose OU apoptose resolver implante peritoneal sem Mais do Que 90 DOS Casos (endométriose fisiológico). No entanto, sos Implantes PODEM Crescer e Progredir parágrafo causar a Doença de endométriose APENAS em Certas Mulheres com Sistemas imunológicos ALTERADOS OU deficiente.

Os Aspectos Mais controversos da endométriose estao Relacionados com a SUA fisiopatologia e patogênese.

6. Biologia evolutiva: Etiopatogenia, fisiopatologia

6.1. Fatores Genéticos

Em Segundo lugar, Wang et al. [45] estudaram OS microRNAs circulantes identificados em Uma Análise de Expressão microRNA soro de todo o genoma Como biomarcadores NÃO invasivos Pará um endométriose. ELES demonstraram Que o circulante miRNAs miR-199, miR-122, miR-145 e miR542-3p poderia servir biomarcadores Como Não-invasivos Pará um endométriose. Além Disso, o miR-199 TAMBÉM PODE desempenhar hum Importante papel na Progressão da Doença. Outros Padrões de Análise e Expressão microRNA plasma proteómica ESTÁ amplamente investigado Como Novos biomarcadores Pará um endométriose e Câncer de ovário Associada à endométriose [46. 47].

6.2. Fatores de estilo de vida e disruptores endócrinos
6.3. / Fatores imunes Inflamatórios
6.4. Estresse e Modulação Steroid locais

7. síntomas OS, Formas Clínicas e estadiamento

Os síntomas Mais Comuns da endométriose São dismenorreia (Durante e sem Fim da menstruação), profunda dispareunia, dor pélvica crónica, E Infertilidade EM 30 DOS Casos. A intensidade dos síntomas PODE variar de leve a sepultura, mas o nivel de dor Nem sempre se relacionam com a Gravidade da Doença.

TEMOS estudado um Correlação Entre cessos Tipos de endométriose e escalado OS SEUS síntomas e Valores de Exame e CA-125, e Os Resultados São inconclusivos.

8. Diagnóstico

A endométriose E diagnosticada atraves de anamnese, Exame clínico, ultra-sonografia transvaginal, e Exames de sangue. Devemos considerar Dois Sinais IMPORTANTES: dispareunia de profundidade e nódulos na bolsa de Douglas.

Embora a endométriose Não Tem Exame de sangue Específico, Vários Rastreios PODEM Ser Úteis na Exclusão de condições Específicas nenhum diferencial diagnóstico. Uma Análise bioquímica Geral Pará Descartar Outros Processos Inflamatórios OU Tumores malignos E Necessário Realizar. Embora ESSA Análise e geralmente normais em endométriose, o médico that Avalia OS Resultados do teste DEVE avaliar certos Valores, Tais Como taxa de sedimentação e Marcadores tumorais (especialmente CA-125), Que São frequentemente Elevados Nestes patients.

biomarcadores Novos Pará um endométriose e Câncer de ovário Associada à endométriose estao atualmente soluço Investigação [46]. Presentemente, Não Há Nenhum biomarcador NÃO invasivo fiável PARA O diagnóstico clínico de endométriose, mas microARNs circulantes (miARNs) PODEM SERVIR Como biomarcadores [45]. Um esforço considerável foi investido na busca de methods Menos invasivos PARA O diagnóstico de endométriose. Estudos Anteriores indicaram níveis alterada do gene CALD1 (that codifica uma proteína de caldesmona) em endométriose. Meola et ai. [81] investigaram se OS níveis de Expressão de proteína Média CALD1 e caldesmona São diferencialmente Alterado sem endométrio e lesões de endométriose; ELES TEM assessed o Desempenho da proteína do gene e caldesmona CALD1 Como potenciais Marcadores Para um endométriose. A Presença de caldesmona não endométrio de patients com e sem endométriose Permitido Diagnósticos com 95 Sensibilidade (especificidade de 100) e 100 de Sensibilidade (especificidade de 100) Para a Doença e Pará um endométriose Mínima-para-leve na fase proliferativa do ciclo menstrual, respectively. Na fase secretora, Mínimo-se endométriose leve foi detectada com 90 Sensibilidade e especificidade de 93,3. Portanto, caldesmona e Um Possível preditor de desregulação endometrial em patients com endométriose, mas Estudos prospectivos São Necessários parágrafo Confirmar o potencial da caldesmona Como hum biomarcador exclusivo Pará um endométriose [81].

NÓS NÃO acreditamos Que o diagnóstico precoce da endométriose E essencial. Apesar de Vários Autores TEM sugerido that um endométriose PODE Beneficiári de Medidas de Prevenção Primária [42], a Realidade E Que, se admitirmos that um endométriose Não Tem atualmente hum Tratamento Eficaz, Os esforços de diagnóstico invasivos (Por Exemplo, uma laparoscopia) NÃO Parece justificado em Casos de Pouca OU endométriose leve APENAS com barbatanas de diagnóstico. Argumentamos that A SUA Progressão E discutível.

Na Prática, Não É Fácil de diagnosticar endométriose, devido à SUA Variabilidade na sintomatologia e o Seu paralelismo anatómica e clínica. Uma Experiência com a Doença em hum Consultorio Médico auxilia no Estabelecimento de Um diagnóstico firme Mais do Que o Que Tem SIDO Tradicionalmente considerado. Endometriomas São fácilmente diagnosticadas POR Meio de testes de ultra-som e sangue transvaginal. A endométriose profunda E MUITAS vezes confirmada usando hum Exame vaginal UO rectal dolorosa de nódulos na bolsa de Douglas, septo reto-vaginal, or ligamento uterosacral. Uma Ferramenta Útil Para avaliar a Gravidade dos síntomas E UMA escala analógica visual Impresso Pará um endométriose, Que inclui OS síntomas da dismenorréia, dispareunia e dor pélvica chronic ê ê classificada em Uma escala de 10 Pontos [5. 67]. ASSIM, OS PACIENTES avaliar a forma Como enguias se sentem, e Os Resultados Terapeuticos PODEM Ser avaliadas Durante o seguimento clínico.

Vários Exemplos de Diagnósticos dificeis de endométriose incluem O Caso de hum Paciente Que exibiu ovário e bilateral Morrer, adenomiose, e endométriose sigmóide intraluminal, o tumor fazer that foi deixado in situ, APOS Uma laparotomía Prévia cinco ano Antes de Mostrar Doença inflamatoria pélvica Única. Outro Paciente apresentou ascite hemorrágica recorrentes e anemia sepultura. Surpreendentemente, ascite parecia corresponder a hum grande endometrioma sangramento. Casos semelhantes São Publicadas em Revistas de gastroenterologia [82].

9. Os Tratamentos Para um endométriose

A etiologia e patofisiologia da endométriose AINDA NÃO ter SIDO estabelecida. Não Há Nenhum Tratamento parágrafo Curar de forma permanente da Doença. Os Tratamentos incluem Medicamentos hormonais (pílulas anticoncepcionais, medroxiprogesterona, danazol, gestrinone, análogos de GnRH, OU DIU levonorgestrel), Cirurgia (laparotomía OU laparoscopia), or terapias combinadas. Os Tratamentos Médicos Tem demonstrado ter Uma eficacia limitada e PODEM interferir com a Fertilidade Durante o Tratamento E Depois. Histerectomia com o dobro anexectomia E o Único Método Cirúrgico Que Elimina uma Doença, mas ê indesejável UO contra-indicada em Pacientes Jovens UO Mulheres Que desejem engravidar. A Cirurgia Conservadora via laparotomía OU laparoscopia E geralmente USADO parágrafo gerenciar cessos patients E E MUITAS vezes combinada com o Tratamento hormonal, that also E controversa.

Abordagens Terapêuticas Atuais PARA O foco de endométriose principalmente na Melhoria da dor e Recolher a Infertilidade. Estas Abordagens incluem a Gestão de patients assintomáticos e intervenções cirúrgicas Médicas UO parágrafo patients sintomáticos. Infelizmente, um Cirúrgica eliminação UO a supressão médica de Implantes de endométriose MUITAS vezes fornece APENAS UM Alívio Temporário Por Causa do carater Recorrente da Doença, um Menos Que a Cirurgia realizada de e radical. O Tratamento de ESCOLHA DEPENDE potencial de Transformação maligna e A Idade do Paciente, o nivel de Infertilidade, Órgãos afectados, a Gravidade dos síntomas, or patologia Associada pélvica.

Em hum Artigo recentemente submetido parágrafo Publicação, relatamos OS Resultados Clínicos observados EM 42 PACIENTES COM DIE e Envolvimento rectovaginal OU colorectal that NÃO receberam um intestinal Cirurgia. De according com NOSSOS Resultados, OS PACIENTES that were Tratados APENAS COM histerectomia e salpingo-ooforectomia bilateral demonstrou Uma excelente Evolução clínica, sem recidivas, apesar do OSU um Longo Prazo da terapia de REPOSIÇÃO hormonal.

10. Relação Entre a endométriose e ovário Carcinoma

Outro Aspecto controverso na endométriose E A SUA Relação com o Câncer epitelial de ovário. Sampson [90] foi O Primeiro a descrever ESTA Associação, e SEUS criterios rigorosos TEM SIDO utilizados Para identificar Tumores malignos that surgem A Partir de endométriose. Scott [91] estabeleceu also that um Transformação maligna UO de Transição ocorreu na endométriose de ovário benignos. Um grande Número de Publicações TEM relatado recentemente Uma clara patogénese de Cancro do ovário Associada à endométriose, especialmente Nos subtipos histológicos de carcinoma de Células Claras e adenocarcinoma endometrióide.

Apesar de Vários Casos de carcinomas de ovário Associada à endométriose Parece Ser uma consequencia final, patológica Desta Progressão, Outros Casos Não São Tão óbvias. Teorias semelhantes Sobre os MECANISMOS patogênicos etiologia, de Protecção e de Fatores de risco e Comuns TEM SIDO postuladas [97], mas OS Resultados epidemiológicos Sobre ESSA Associação AINDA imperceptíveis.

Nosso grupo realizou hum Estudo observacional (atualmente submetido parágrafo Publicação) em 202 patients com Tumores ovarianos epiteliais (EOT), e Outro Conjunto de 202 patients that tiveram endométriose sepultura. NOSSOS Resultados mostraram Que OS PACIENTES COM endométriose ERAM significativamente Mais Jovens do that OS PACIENTES COM Tumores limítrofe OU maligno e Que OS PACIENTES COM EOT Associada à endométriose e aqueles patients com EOT Associada à endométriose ERAM geralmente Mais Jovens do that OS PACIENTES COM Tumores ovarianos malignos sem endométriose. Além Disso, a maioria dos patients ERAM multíparas EOT (63,9), enquanto Que a maioria dos patients com endométriose nulíparas Eram (65). Em Relação Ao Estágio do tumor, 65 dos patients com Tumores malignos estavam em Estágios III / IV, 47 dos patients com EOTS Associada à endométriose estavam em Estágio I, e 40 DOS PACIENTES ERAM de estádio III / IV. Em Tumores limítrofes, endométriose was Associado EM 10 DOS PACIENTES. Em Tumores malignos, endometrioid Associada à endométriose e histologia de Células Claras estava Presente em Mais de 40 DOS PACIENTES, O Que contrastou com a falta de Associação com OS Outros histológicos malignos. Otras Conclusões Interessantes da Neste Estudo were that OS carcinomas endometriais were observados em 5,4 dos patients com EOT, especialmente no endometrióide e Tipos de Células Claras. O cancer de mama foi diagnosticado em 5,9 das Mulheres com EOT em Comparação com 0,5 diagnosticada em patients com endométriose. Em CONCLUSÃO, verificou-se Uma Associação significativa Entre um endométriose (incluíndo Formas atípicas) e endometrióides e carcinomas de Células Claras, mas NÃO com Outros Tipos histológicos EOT. EOT also were Associados com endométrio e da mama carcinomas, particularmente Tumores endometrióides e mucinoso, respectively.

A Transformação maligna da endométriose E UMA complicação rara mas relataram da Doença. endométrio ectópico Promove Uma RESPOSTA com inflamatoria local, um ACTIVAÇÃO de macrófagos e citocinas that PODEM ter hum Efeito negativo mundial na Regulação do Crescimento, conduzindo a alterações pré-malignas, Quer no endométrio ectópico UO não PRÓPRIO locais de Implantação. Uma Transição de benigna um endométriose Atípica E observada em 01/02 de Tecidos Normais de endométriose, Ao Passo Que um endométriose Atípica E considerado Para Ser pré-canceroso e Fortemente Associada com o Cancro do ovário Associada à endométriose. cancros do epitélio do ovário e lesões endometrióticas adjacentes mostraram alterações genéticas Comuns, Tais Como PTEN, p53, e como Mutações do gene bcl, sugerindo hum Possível espectro de Transição genética maligno [96].

AGRADECIMENTOS

Referências

  1. J. A. Sampson, “Um material foreing da cavidade uterina parágrafo fuga de como Veias uterinas,” American Journal of Obstetrics Gynecology. vol. 2, p. 161, 1918. Ver em Google Scholar
  2. V. Ruiz-Velasco, endométriose. Intersistemas, México, Mxico de 2004.
  3. S. Ozkan, W. Murk, e A. Arici “, endométriose e Infertilidade: epidemiologia e Tratamentos baseados Evidências EM”, Anais da New York Academy of Sciences. vol. 1127, pp. 92-100, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  4. J. T. W. Goh um e B. A. Hall, “pós-menopausa endometrioma e terapia de REPOSIÇÃO hormonal” Austrália e Nova Zelândia Jornal de Obstetrícia e Ginecologia. vol. 32, no. 4, pp. 384-385, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  5. P. Acín, “endométriose”, in Tratado de Obstetricia y Ginecologa: Ginecologa. Capítulo 17, pp. 619-690, Ediciones Molloy, Alicante, Espanha, 2004. Ver em Google Scholar
  6. D. Oxholm, U. B. Knudsen, N. Kryger-Baggesen, e P. Ravn, “endométriose pós-menopausa”, Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica. vol. 86, no. 10, pp. 1158-1164, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  7. H. Fernandez e A. Harmas, “Historia Natural e Apresentação Clínica de endométriose” Revue du praticien. vol. 49, n. 3, pp. 258-262, 1999. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  8. G. L. Mutter, C. Bergeron, L. Deligdisch et al. “O espectro de patologia do endométrio induzida POR moduladores do receptor de progesterona,” moderna Patologia. vol. 21, n. 5, pp. 591-598, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  9. S. J. Robboy e S. M. Bean, “Patogênese da endométriose” BioMedicine reprodutiva on-line. vol. 21, n. 1, pp. 4-5, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  10. I. Brosens E P. Puttemans, “endométriose: Uma Abordagem de ciclo de vida” American Journal of Obstetrics Gynecology. 2013. Vista em Publisher · Ver em Google Scholar
  11. V. J. Knapp, “QUANTOS ano E um endométriose? 17th- tarde e do Século 18 descrições Europeus da Doença” Fertility and Sterility. vol. 72, no. 1, pp. 10-14, 1999. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  12. E. Ries, “Eime neveoperationmet-hode des uteruscarcinoms” Z Geburtsh Gynakol. vol. 37, p. 518, 1897. Ver em Google Scholar
  13. N. S. Iwanoff, “Drusiges cytaltiges uterusfibromyom complicent durch SARCOM und carcinoma,” Geburtsh Monatsschr Gynakol. vol. 7, p. 295, 1898. Ver em Google Scholar
  14. W. W. Russell, “Porções aberrante de Conduta mllerian Encontrado em Células de ovário. Os cistos ovarianos de Origem mllerian” O Hospital Johns Hopkins. vol. 10, pp. 8-10, 1899. Ver em Google Scholar
  15. J. A. Sampson, “perfurante hemorrágica (chocolate) cistos fazer ovário. Sua importancia e, especialmente, o SUA Relação COM adenomas pélvicos fazer endometrial tipo”, Archives of Surgery. vol. 3, pp. 245-323, 1921. Ver em Google Scholar
  16. J. A. Sampson, “adenomas intestinais fazer endometrial tipo, importancia sua, é Sua Relação COM hematomas ovário fazer endometrial tipo (perfuração cisto hemorrágico de ovário),” Archives of Surgery. vol. 5, pp. 21-27, 1922. Ver em Google Scholar
  17. J. A. Sampson, “endométriose peritoneal, devido à Divulgação menstrual de Tecido endometrial na cavidade peritoneal,” American Journal of Obstetrics Gynecology. vol. 14, pp. 422-469, 1927. Ver em Google Scholar
  18. H. S. Crossen um e R. J. Crossen, Ginecologia operatória, Tomo 1, PAC 1, P.21. Versão Castellana de la Quinta Edicion Inglesa. União Tipografica Editorial Hispano-Americana, México, 1940.
  19. A. R. Levy, K. M. Osenenko, G. Lozano-Ortega, et ai. “Impacto Econômico da cirurgicamente confirmou endométriose nenhuma Canadá” Journal of Obstetrícia e Ginecologia Canadá. vol. 33, pp. 830-837, 2011. Ver em Google Scholar
  20. P. Oppelt, R. Chavtal, D. Haas, et ai. “custódio Os de Tratamento hospitalar Para a endométriose na Alemanha 2006: Uma Análise com base de nenhum G-DRG-Coding,” Endocrinologia ginecológica. vol. 28, pp. 903-905, 2012. Ver em Google Scholar
  21. J. Prast, P. Oppelt, A. Shamiyeh, O. Shebl, I. Brandes, e D. Haas, “Custos de endométriose em Áustria: um Levantamento DOS CUSTOS destacados diretores e indirectos” Arquivos de Ginecologia e Obstetrícia. Na Imprensa.
  22. S. Simoens, G. Dunselman, C. Dirksen et al. “O ônus da endométriose: custódio e Qualidade de Vida das Mulheres com endométriose e tratadas em Centros de Referência”, Reprodução humana. vol. 27, no. 5, pp. 1292-1299, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  23. S. Simoens, L. Hummelshøj, G. Dunselman, I. Brandes, C. Dirksen, e T. D’Hooghe, “a Avaliação dos custódio endométriose (o Estudo EndoCost): um protocolo de Estudo de Custo de Doença” Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 71, no. 3, pp. 170-176, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  24. P. Acin, M. Acin, F. Fernández, M. J. Mayol, e I. Aranda, “A massa uterina acessorio de cavitação. Uma anomalia Mllerian em Mulheres com hum útero de Outra Maneira normal,” Obstetrícia ginecologia. vol. 116, pp. 1101-1109, 2010. Ver em Google Scholar
  25. P. Acin, A. Bataller, F. Fernández, M. I. Acin, J. M. Rodríguez, e M. J. Mayol, “Novos Casos de Acessórios e massas uterinas escavadas (acum): Uma Importante causa de dismenorreia sepultura e dor pélvica Recorrente em Mulheres Jovens”, Reprodução humana. vol. 27, no. 3, pp. 683-694, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  26. P. R. Koninckx e D. C. Martin, “A profunda endométriose: Uma consequencia da infiltração OU retração OU possivelmente externa adenomiose?” Fertility and Sterility. vol. 58, no. 5, pp. 924-928, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  27. P. R. Koninckx e D. Martin, “O Tratamento da endométriose pélvica profunda,” Current Opinion in Obstetrics and Gynecology. vol. 6, no. 3, pp. 231-241, 1994. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  28. O. Buchweitz, P. Wlfing e E. Malik, “Variabilidade between sem diagnóstico de endométriose Mínima e leve,” European Journal of Obstetrics Ginecologia e Biologia Reprodutiva. vol. 122, pp. 213-217, 2005. Ver em Google Scholar
  29. M. Nisolle, F. Casanas-Roux, e J. Donnez, “Análise imuno-histoquímica da Atividade proliferativa e Expressão receptor fazer De Esteroides na endométriose peritoneal e ovário” Fertility and Sterility. vol. 68, no. 5, pp. 912-919, 1997. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  30. L. S. Noble, R. E. Simpson, A. Johns, e S.E. Bulun, “expressão da aromatase não endométriose,” Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. vol. 81, no. 1, pp. 174-179, 1996. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  31. I. Velasco, J. Rueda, e P. Acin “, Expressão da aromatase em Tecidos de endométriose e Culturas de Células de patients com endométriose” Molecular Reprodução Humana. vol. 12, no. 6, pp. 377-381, 2006. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  32. I. Velasco, P. Acin, A. Campos, M. I. Acin e E. Ruiz-Maci, “Interleucina-6 e Outros Fatores solúveis em Fluidos e endometriomas peritoneal é Sua Relação com a dor e Expressão da aromatase,” Journal of Immunology Reprodutiva. vol. 84, n °. 2, pp. 199-205, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  33. J. H. Ridley, “A histogênese de endométriose: Uma Revisão de Fatos e fantasias”, Levantamento ginecologia Obstétrica. vol. 23, Artigo 1, 1968. Ver em Google Scholar
  34. D. Vinatier, G. Orazi, M. Cosson, e P. Dufour, “Teorias da endométriose” European Journal of Obstetrics Ginecologia e Biologia Reprodutiva. vol. 96, no. 1, pp. 21-34, 2001. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  35. M. Nisolle e J. Donnez, “endométriose peritoneal, endométriose de ovário e nódulos adenomyotic fazer septo reto-vaginal São Três Entidades Diferentes” Fertility and Sterility. vol. 68, no. 4, pp. 585-596, 1997. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  36. J. Sundqvist, H. Xu, A. Vodolazkaia, et ai. “Replicação de polimorfismos de nucleotídeo Único Associada à endométriose de Estudos de Associação do genoma de caucasiana Uma População” Reprodução humana. vol. 28, pp. 835-839, 2013. Ver em Google Scholar
  37. J. L. Simpson, S. Elias, L. R. Malinak e V. C. Buttram Jr. “Aspectos hereditárias de endométriose. I. ósmio Estudos Genéticos” American Journal of Obstetrics and Gynecology. vol. 137, n. 3, pp. 327-331, 1980. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  38. L. R. Malinak, V. C. Buttram Jr. S. Elias, e J. L. Simpson, “Aspectos hereditárias de endométriose. II. Como Características Clínicas da endométriose familiar” American Journal of Obstetrics and Gynecology. vol. 137, n. 3, pp. 332-337, 1980. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  39. C. Semino, A. Semino, G. Pietra et al. “O papel da Expressão Maior Complexo de histocompatibilidade de classe I e Células T killer-Como Naturais não Controle genético da endométriose” Fertility and Sterility. vol. 64, n °. 5, pp. 909-916, 1995. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  40. S. Adachi, A. Tajima, J. Quan et ai. “Meta-Análise de Associação do genoma Verifica a existencia de Suscetibilidade genética parágrafo endométriose em População japonesa,” Journal of Human Genetics. vol. 55, no. 12, pp. 816-821, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  41. J. N. Painter, C. A. Anderson, D. R. Nyholt et al. “Estudo de Associação Genômica Ampla IDENTIFICA hum locais Associada em 7p15.2 à endométriose” Genética Natureza. vol. 43, no. 1, pp. 51-54, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  42. H. M. Albertsen, R. Chettier, P. Farrington, e K. Ward, “Genome-wide Estudo de Associação Ligação o romance loci à endométriose” PLoS ONE. vol. 8, NAO. 3, Artigo e58257, 2013. Ver em Google Scholar
  43. H. Falconer, J. Sundqvist, H. Xu, et al. “Das Análise Variações Comuns EM genes supressores de Tumores em chr1p36 Entre as Mulheres caucasianas com endométriose” Oncologia ginecológica. vol. 127, pp. 398-402, 2012. Ver em Google Scholar
  44. L. Pagliardini, Gentilini D., P. Vigano ‘, et ai. “Um Estudo de Associação italiana e meta-Análise com GWAS anterior Confirmar WNT4, CDKN2BAS e FN1 Como O Primeiro loci susceptibilidade identificados Pará um endométriose” Journal of Medical Genetics. vol. 50, pp. 43-46, 2013. Ver em Google Scholar
  45. W. T. Wang, Y. N. Zhao, B. W. Han, S. J. Hong, e Y. Q. Chen, “identificados Circulação microRNAs em Uma Análise do soro microRNA Expressão do genoma Como biomarcadores NÃO invasivos Pará um endométriose” The Journal of Clinical Endocrinology Metabolism. vol. 98, pp. 281-289, 2013. Ver em Google Scholar
  46. S. Suryawanshi, A. M. Vlad, H. M. Lin, et ai. “MicroRNAs plasma Como Novos biomarcadores Pará um endométriose e Câncer de ovário Associada à endométriose” Cancer Research Clinical. vol. 19, pp. 1213-1224, 2013. Ver em Google Scholar
  47. E. G. Turco, F. B. Cordeiro, P. H. de Carvalho Lopes, et al. “Análise proteómica de Líquido folicular de Mulheres com e sem endométriose: Novos Alvos Terapeuticos e biomarcadores,” Molecular Reprodução e Desenvolvimento. vol. 80, n. 6, pp. 441-450, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  48. P. Acin, “endométriose e Anomalias genitais: Alguns Aspectos de histogênese de endométriose externa” Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 22, no. 2, pp. 102-107, 1986. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  49. J. S. Sanfilippo, N. G. Wakim, K. N. Schikler e M. A. Yussman, “endométriose em Associação com uterina anomalia” American Journal of Obstetrics and Gynecology. vol. 154, n. 1, pp. 39-43, 1986. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  50. D. L. Olive e D. Y. Henderson, “endométriose e Anomalias müllerianas” Obstetrícia e Ginecologia. vol. 69, no. 3, parte 1, pp. 412-415, 1987. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  51. L. L. Culatra e M. R. Laufer, “Anomalias obstrutivas do trato reprodutivo feminino,” Journal of Reproductive Medicine PARA O ginecologista e obstetra. vol. 44, n °. 3, pp. 233-240, 1999. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  52. D. W. Cramer e S. A. Missmer, “A epidemiologia da endométriose” Anais da New York Academy of Sciences. vol. 955, pp. 11-22, 2002. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  53. S. A. Missmer, D. Spiegelman, S. E. Hankinson, S. Malspeis, R. L. Barbieri, e D. J. Hunter, “cor naturais do Cabelo e da Incidência da endométriose” Fertility and Sterility. vol. 85, no. 4, pp. 866-870, 2006. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  54. P. P. Koninckx, “A fisiopatologia da endométriose: Poluição e da dioxina” Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 47, no. 1, pp. 47-50, 1999. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  55. A. S. Niskar, L. L. Needham, C. Rubin et ai. “Dioxinas soro, bifenilos policlorados, e endométriose: um Estudo de Caso em-Controle Atlanta,” Chemosphere. vol. 74, n. 7, pp. 944-949, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  56. P. Simsa, A. Mihalyi, G. Schoeters et ai. “O aumento da Exposição de Compostos de dioxina ESTÁ Associada à endométriose em hum Estudo de Caso-Controle EM Mulheres”, BioMedicine reprodutiva on-line. vol. 20, n. 5, pp. 681-688, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  57. K. L. Bruner-Tran, T. Ding, K. G. e Osteen, “Dioxinas e Resistência progesterona endometrial,” Seminários em Medicina Reprodutiva. vol. 28, n. 1, pp. 59-68, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  58. P. Bellelis, S. Podgaec e M. S. Abro, “Os Fatores Ambientais e endométriose” Revista da Associao Brasileira Mdica. vol. 57, pp. 448-452, 2011. Ver em Google Scholar
  59. G. M. Buck Louis, M. C. Peterson, Z. Chen, et ai. “O bisfenol A e ftalatos e endométriose: a endométriose: História natural, Diagnóstico e Outcomes Study” Fertility and Sterility. 2013. Vista em Publisher · Ver em Google Scholar
  60. D. Balabani, M. Rupnik, e A. K. Klemeni, “Impacto negativo de Compostos de desregulação endócrina Sobre a Saúde reprodutiva humana” Reprodução, Fertilidade e Desenvolvimento. vol. 23, n. 3, pp. 403-416, 2011. Ver em Google Scholar
  61. P. G. Signorile, E. P. Spugnini, G. Citro, et ai. “Disruptores endócrinos sem útero causar Danos ovarianos Ligados à endométriose” Frontiers in Bioscience. vol. 4, pp. 1724-1730, 2012. Ver em Google Scholar
  62. P. G. Signorile, E. P. Spugnini, L. et Mita ai. “A Exposição pré-natal de ratos Ao bisfenol A provoca hum fenotipo endométriose, Como em prole feminina,” Geral e Endocrinologia Comparativa. vol. 168, n. 3, pp. 318-325, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  63. D. Caserta, G. Bordi, F. Ciardo, et al. “A Influência dos desreguladores endócrinos em Uma População Selecionada de Mulheres inférteis,” Endocrinologia ginecológica. vol. 29, pp. 444-447, 2013. Ver em Google Scholar
  64. M.-J. Gmez-Torres, P. Acin, A. Campos, e I. Velasco, “o EMBRIAO de fluido peritoneal em Mulheres com endométriose. Sua Relação com citocinas e Populações de linfócitos”, Reprodução humana. vol. 17, n. 3, pp. 777-781, 2002. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  65. A. Pellicer, N. Oliveira, A. Ruiz, J. Remoh e C. SIMN, “Explorando o Mecanismo (s) de Infertilidade relacionada à endométriose: Uma Análise do Desenvolvimento fazer EMBRIAO e Implantação na Reprodução Assistida”, Reprodução humana. vol. 10, no. 2, pp. 91-97, 1995. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  66. A. Pellicer, C. Albert, A. Mercader, F. Bonilla-Musoles, J. Remoh e C. SIMN, “O ambiente folicular e endócrino em Mulheres com endométriose: a Produção de citocinas locais e sistêmica,” Fertility and Sterility. vol. 70, n. 3, pp. 425-431, 1998. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  67. P. Acin, F. J. Quereda, M.-J. Gmez-Torres, R. Bermejo, e M. Gutierrez, “análogos de GnRH, drenagem guiada POR ultra-som transvaginal e Injeção intracístico de interleucina-2 recombinante sem Tratamento da endométriose” Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 55, no. 2, pp. 96-104, 2003. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  68. P. Acin, G. Prez-Albert, FJ Quereda, M. Snchez-Ferrer, A. Garca-Almela, e I. Velasco, “O Tratamento da endométriose com drenagem guiada POR ultra-som transvaginal soluço análogos de GnRH e interleucina- 2 recombinante cistos deixado em OS “, Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 60, pp. 224-231, 2005. Ver em Google Scholar
  69. P. Acín, I. Velasco, M. Acín, e F. Quereda, “Tratamento da endométriose com drenagem transvaginal guiada POR ultra-som e interleucina-2 recombinante Esquerda Nos cistos: um Terceiro Ensaio clínico” Ginecológica e Obstétrica Investigation. vol. 69, no. 3, pp. 203-211, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  70. N. Tariverdian, T. C. Theoharides, F. Siedentopf et ai. “Neuroendocrino-imune Desequilíbrio e endométriose: Uma Abordagem interdisciplinar” Seminários em Imunopatologia. vol. 29, no. 2, pp. 193-210, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  71. A.-P. Kao, K.-H. Wang, C.-Y. Long et al. “Interleukin-1 induz uma Expressão de ciclo-oxigenase-2 e Promove uma CAPACIDADE invasiva de Células estaminais mesenquimatosas humanas derivadas de endometrioma ovário ” Fertility and Sterility. vol. 96, no. 3, pp. 678-684, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  72. S. E. Bulun, G. Imir, H. Utsunomiya et al. “Aromatase na endométriose e leiomiomatose uterina,” Journal of Steroid Biochemistry and Molecular Biology. vol. 95, no. 15, pp. 57-62, 2005. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  73. A. D. Ebert, J. Bartley, e M. David, “Inibidores de aromatase e Inibidores de endométriose ciclooxigenase-2 (COX-2) 😕 Respostas novo questionsold” European Journal of Obstetrics Ginecologia e Biologia Reprodutiva. vol. 122, n. 2, pp. 144-150, 2005. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  74. P. Acin, I. Velasco, M. Gutirrez e M. Martnez-Beltrn “, Expressão da aromatase em Tecidos de endométriose é Sua Relação com OS ACHADOS Clínicos e Analíticos,” Fertility and Sterility. vol. 88, pp. 32-38, 2007. Ver em Google Scholar
  75. S. Soysal, M. E. Soysal, S. Ozer, N. Gul, e T. Gezgin, “Os Efeitos da Administração Pós-Cirúrgico de goserelina Além de anastrozol em Comparação com goserelina Sozinho em patients com endométriose túmulo: um Estudo prospectivo randomizado,” Reprodução humana. vol. 19, n. 1, pp. 160-167, 2004. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  76. L. L. Amesterdão, W. Gentry, S. Jobanputra, M. Wolf, S. D. Rubin, e S. E. Bulun, “anastrozol e contraceptivos orais: Um Novo Tratamento Para um endométriose” Fertility and Sterility. vol. 84, n °. 2, pp. 300-304, 2005. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  77. K. Odagiri, R. Konno, H. Fujiwara, S. Netsu, C. Yang, e M. Suzuki, “metaplasia músculo liso e inervação nenhum interstício de lesões de endométriose Relacionadas com a dor”, Fertility and Sterility. vol. 92, no. 5, pp. 1525-1531, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  78. A Sociedade Americana de Fertilidade “, classificação de endométriose” Fertility and Sterility. vol. 32, pp. 633-634, 1979, um Revista classificação da Sociedade Americana de Fertilidade da endométriose, Fertility and Sterility, vol. 43, pp. 351-352, 1985. Ver em Google Scholar
  79. Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, “Revista Sociedade Americana parágrafo Medicina Reprodutiva classificação da endométriose: 1996,” Fertility and Sterility. vol. 67, pp. 817-821, 1997. Ver em Google Scholar
  80. W. P. Dmowski, “Avaliação visual dos Implantes peritoniais PARA O estadiamento da endométriose: fazer Número e * Tamanho cumulativo de lesões refletir a Gravidade de Uma Doença sistêmica?” Fertility and Sterility. vol. 47, pp. 382-384, 1987. Ver em Google Scholar
  81. J. Meola, G. D. Hidalgo, E. Rosa, J. C. Silva, L. E. Silva, e C. C. Paz, “caldesmona: Novas Perspectivas Para o diagnóstico de endométriose” Biologia da Reprodução. vol. 88, no. 5, p. 122, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  82. T. U. Shabeerali, R. Rajan, P. A. Kuruvilla et ai. “Ascite hemorrágicos:? Estamos perdendo endométriose” Indian Journal of Gastroenterology. vol. 31, no. 4, pp. 195-197, 2012. Ver em Google Scholar
  83. P. R. Koninckx, M. Craessaerts, D. Timmerman, F. Cornillie e S. Kennedy, “Anti-TNF Tratamento Para uma dor Associada à endométriose profunda: um Ensaio randomizado Controlado POR placebo ” Reprodução humana. vol. 23, n. 9, pp. 2017-2023, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  84. S. Alborzi, S. Ghotbi, ME Parsanezhad, S. Dehbashi, S. Alborzi um e M. Alborzi, “terapia Pentoxifilina Apos uma Cirurgia laparoscópica parágrafo Diferentes Estágios de endométriose: Estudo prospectivo, duplo-cego, randomizado, Controlado POR placebo” Journal of Gynecology minimamente Invasiva. vol. 14, n. 1, pp. 54-58, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  85. C. M. Becker e R. J. D’Amato, “Angiogenesis and terapia anti-angiogénico na endométriose,” Pesquisa microvascular. vol. 74, n. 2-3, pp. 121-130, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  86. G. A. Ricci, C. N., Olivares, M. A. Bilotas, G. F. Meresman, e R. I. Baraao, “Efeito de inibição do fator de Crescimento endotelial vascular em Desenvolvimento implante do endométrio em hum modelo murino de endométriose” Ciências reprodutivas. vol. 18, n. 7, pp. 614-622, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  87. G. Dubernard, R. Rouzier, E. David-Montefiore, M. Bazot, e E. Darai, “Utilização do Questionário SF-36 parágrafo Prever a Melhoria da Qualidade de vida apos ressecção colorectal laparoscópica parágrafo endométriose” Reprodução humana. vol. 23, n. 4, pp. 846-851, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  88. H. Romano, M. Vassilieff, G. Gourcerol et al. “Tratamento Cirúrgico da endométriose profunda do reto: Pedindo Uma Abordagem orientada-sintoma” Reprodução humana. vol. 26, no. 2, pp. 274-281, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  89. P. Acin, “Profundamente infiltrando endométriose e ultra-sonografia transvaginal,” Reprodução humana. vol. 24, No. 9, p. 2385, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  90. J. A. Sampson, “carcinoma endometrial do ovário, provenientes de Tecido endometrial Nesse Orgão” Archives of Surgery. vol. 10, pp. 1-72, 1925. Ver em Google Scholar
  91. B. R. Scott, “alterações malignas in endométriose,” Obstetrícia e Ginecologia. vol. 2, NAO. 3, pp. 283-289, 1953. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  92. B. Czernobilsky e W. J. Morris, “Um Estudo histológico da endométriose ovariana, com ênfase na hiperplasia e alterações atípicas” Obstetrícia e Ginecologia. vol. 53, no. 3, pp. 318-323, 1979. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  93. A. LaGrenade e S. G. Silverberg, “Tumores ovarianos Associada à endométriose Atípica” Human Pathology. vol. 19, n. 9, pp. 1080-1084, 1988. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  94. M. Fukunaga, K. Nomura, E. Ishikawa, e S. Ushigome “, ovário endométriose Atípica: A SUA Estreita Associação com Tumores epiteliais malignos,” Histopatologia. vol. 30, no. 3, pp. 249-255, 1997. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  95. S. Ogawa, T. Kaku, S. Amada et al. “Endométriose fazer ovário Associado com carcinoma de ovário: um Estudo clínico-patológico e imuno-histoquímica,” Oncologia ginecológica. vol. 77, n. 2, pp. 298-304, 2000. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  96. J.-J. Wei, J. William e S. Bulun “, endométriose e Câncer de ovário: Uma Revisão de Clínicas, patológicas e moleculares,” International Journal of Pathology ginecologia. vol. 30, no. 6, pp. 553-568, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  97. F. Nezhat, M. S. Datta, V. Hanson, T. Pejovic, C. Nezhat e C. Nezhat, “A Relação Entre a endométriose ea Doença maligna de ovário: Uma Revisão” Fertility and Sterility. vol. 90, no. 5, pp. 1559-1570, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  98. P. Acin, M. Abad, M.-J. Mayol, S. Garcia, e J. Garde “, carcinoma de Células escamosas primário do ovário Associada à endométriose” Jornal Internacional de Ginecologia e Obstetrícia. vol. 108, n. 1, pp. 16-20, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus

mensagens Relacionados

  • o Alívio da dor da endométriose

    Impacto da Médica e Tratamento Cirúrgico da endométriose na cura da endométriose e fazer Departamento de Obstetrícia e Ginecologia Dor, Clínicas da Universidade de Schleswig-Holstein, Campus Kiel, …

  • Endométriose e dor pélvica chronic, o Alívio da endométriose.

    Abstract Este Artigo apresenta Uma Revisão abrangente da endométriose e o Sofrimento dos patients Que sofrem Desta Doença. Bem focar o Aspecto clínico, Natureza Crônica da …

  • Endométriose Os Pacientes não …

    Pacientes endométriose há pós-menopausa Período: pré e pós-menopausa Fatores Que influenciam na pós-menopausa editor Saúde Acadêmica: Mohamed Mabrouk Abstract = 0.833 / 0.857 / 0.931) ….

  • Endométriose e Infertilidade …

    Artigo Sinopse Palavras-chave: endométriose, Infertilidade, Tratamento, Patogênese, Células-tronco, a fertilização in vitro endométriose: Overview Patogênese da endométriose A patogênese definitiva …

  • Colônica endométriose imitando …

    Colônica endométriose imitando o Cancro do cólon em hum Estudo de colonoscopia virtual: Um potencial Armadilha em Diagnóstico 1 Departamento de Radiologia da Northwestern Faculdade de Medicina da Fundação, Chicago, IL …

  • Endométriose e Câncer de ovário …

    Resumo 1. Introdução O Objetivo Deste Trabalho e revisar sistematicamente como Evidências da literatura de Uma Correlação Entre a endométriose e Câncer de ovário. 2. Métodos 3. Resultados A de verão de …