Endometrioid adenocarcinoma …

Endometrioid adenocarcinoma …

Endometrioid adenocarcinoma ...

Abstrato

adenocarcinoma endometrioid decorrente de endométriose fazer colo uterino E raro na mulher na pré-menopausa. O Nós descrevemos here hum Paciente com ESSA Condição e avaliar como Características Clínicas e patológicas destes Tumores. Uma mulher de 48 ano de Idade, com Queixa de dismenorreia sepultura foi encaminhado parágrafo Investigação de Uma massa pélvica. Were realizadas histerectomia abdominal bilateral total e salpingo-ooforectomia. O Exame histológico revelou hum adenocarcinoma endometrioid diretamente adjacente à endométriose não uterino colo, com Uma Transição observada Entre endométriose e adenocarcinoma endometrioid. O Paciente foi diagnosticado Como tendão adenocarcinoma endometrioid decorrente de endométriose fazer colo uterino e foi submetido à quimioterapia pós-operatória. Ginecologistas e patologistas devem Estar cientes das dificuldades Associadas com hum atraso no diagnóstico de adenocarcinoma endometrioid decorrente de endométriose when o tumor apresenta-se Como hum endometrioma Olhar benigno.

Palavras-chave: Carcinoma, endometrioid; endométriose; Colo do Útero

INTRODUÇÃO

Neste Relatório, Nós descrevemos uma mulher com adenocarcinoma endometrioid decorrente de endométriose fazer colo uterino. Além Disso, fazemos Uma Revisão da literatura Sobre ESSA Condição, e discutir OS Fatores prognósticos e como Abordagens Terapêuticas Mais adequadas.

RELATO DE CASO

Uma mulher de 48 ano de Idade, com Queixa de dismenorreia sepultura foi encaminhado parágrafo Investigação de Uma massa pélvica. Ela era de Outra Maneira Bem, Não estava Tomando medicação hormonal, e tinha hum índice de massa corporal de 24,4 kg / m 2. A mancha cervical revelou alterações Celulares benignas. A Ressonância Magnética mostrou Uma Imagem típica de hum cisto endometrial do colo uterino, com Alta intensidade na T1W1 e T2W1, Uma superficie lisa, e sombreamento. foi Adenomiose observado no Corpo do útero, mas NÃO houve Evidência de aumento dos gânglios linfáticos OU ascite (Fig. 1). A SUA Concentração sem soro de CA125 foi de 359 U / ml (normal 35 U / mL). No momento da laparotomía, ELA Teve hum útero alargada (1.276 centimetros 3), Que pesava 231 g, e o Seu colo uterino foi ampliado PARA O * Tamanho de hum ovo, com multiplas massas redondas. adesão severa foi observada, com o Tecido endometrial na Parede posterior do útero e do peritônio e obliteração total de de posterior cul-de-sac. O ovário Esquerdo estava aderente à superficie posterior do útero, com hum quisto acastanhada Escura típica de hum quisto do endométrio. histerectomia abdominal realizadas e salpingo-ooforectomia bilateral com adhesiolysis were totais, e como Amostras were submetidas a Exame de congelação. Como lesões extra-ovarianos were eletricamente cauterizada. O Exame patológico dos cortes congelados sugeriu hum adenocarcinoma decorrente de endométriose na Parede cervical.

ACHADOS da Ressonância Magnética do Paciente. Em T1, T2W Imagens sagital (UMA. B ), Exibindo multiplas massas redondas de * Tamanho Variável Sobre o colo uterino (setas). Adenomiose observado foi sem Corpo do útero, mas NÃO se observou Nenhum aumento dos gânglios linfáticos OU ascite.

Sem macroscópico Exame, uma cervical Parede do útero contida, Uma lesão cística relativamente Bem Definido preenchido com Líquido marrom escuro, medindo 32.22.2 cm. A cor castanha Escura superficie interna do cisto mostrou multi-focal, de Crescimento papilar, massas solidas e granular, medindo Até 0.80.80.5 cm (Fig. 2). Microscopicamente, estas massas were Feitos de adenocarcinoma endometrióide Bem diferenciado, Que foi Directamente adjacente Ao epitélio do cisto de endométriose da Parede cervical. were observadas áreas de Transição Entre o epitélio glandular da endométriose e como Células de endometrióides adenocarcinoma. De: Não houve Invasão PARA O estroma do colo do útero e nenhuma Ligação Entre o epitélio da mucosa sobrejacente da endo-ectocérvice e o epitélio da endométriose UO o adenocarcinoma. Um endométrio fase secretora medido 0,8 cm de espessura. De: Não houve Evidência de hum adenocarcinoma do endométrio OU primário endocervical na endocérvice OU endométrio (Fig. 3). Múltiplos focos de endométriose estavam PRESENTES Dentro da Parede posterior do útero e ovários Ambos OS. Um cistadenoma seroso also Esteve Presente no Direito ovário, medindo 4,0 cm em SUA Maior Dimensão.

superficie de corte da Parede cervical Exibindo hemorrágica lesões Bem definidas Sólidos (seta).

Achados OS histopatológicos. (UMA ) Glandulas dilatada endocervicais não colo do útero. De: Não houve Evidência de adenocarcinoma OU Ligação com o cisto de endométriose (HE, 40). (B ) Continuidade directa foi observada a Partir da endométriose (Esquerdo Superior) .

Uma Expressão de Receptores de estrogênio e progesterona, p53 e c-erb B-2 foi analisada POR Meio de parafina imuno-histoquímica. A área de adenocarcinoma endometrióide foi positivo parágrafo Ambos OS Receptores de progesterona e estrogênio. fraca Expressão de p53 e c-erbB2 (10-20% de Coloração nuclear) observada foi na carcinomatosa área. O Paciente foi diagnosticado Como tendão hum adenocarcinoma endometrioid decorrente de endométriose fazer colo uterino. Apos a Recuperação da Cirurgia, Ela foi tratada com SEIS Ciclos de quimioterapia, Que consiste do de ciclofosfamida a 600 mg / m2 de cisplatina e 50 mg / m 2 a each 4 Semanas.

Sem Presente momento, ELA TEM SIDO clinicamente livres da Doença POR 24 meses from that Passou POR Cirurgia.

DISCUSSÃO

Endométriose do colo do útero E geralmente considerado Como Uma lesão rara, mas SUA Incidência TEM SIDO Tão Alta Quanto 2,4% em algumas séries (8). trauma anterior PARA O colo do útero PODE contribuir Para esta Condição. Por Exemplo, endométriose cervical foi observada em 43% dos espécimes de histerectomia postconization obtidos A Partir de patients COM neoplasia intra-epitelial cervical (CIN) recorrência e Outras condições (Não endométriose) (9). Portanto, o aumento da Incidência dos Procedimentos cervicais invasivos PODEM Aumentar a Incidência de endométriose. esfregaços cervicais tomados de uma maioria dos patients com endométriose cervical mostraram celularidade glandular (10. 11). Em contraste, um esfregaço do colo do útero Retirado de Nosso Paciente Antes da Exploração mostrou Características Normais. De: Não houve Invasão PARA O estroma do colo do útero, or para á Camada mucosa fazer endocérvix OU exocervix.

Transformação neoplásica E UMA complicação rara da endométriose, documentada em 0,3-0,8% dos patients com endométriose ovariana (7). De 147 Mulheres com endométriose, APENAS UM Teve Câncer do ovário decorrente da endométriose (0,7%) (12). O Risco de Câncer decorrente da endométriose pré-EXISTENTE foi Estimada em 0,7% a 1,0% (1). neoplasias das complicando um endométriose, 75% surgem Nos ovários, com a maioria (Quase 70%) Sendo fazer tipo endometrioid.

Devido à Raridade de Transformação maligna de endométriose em LOCAIS extraovarian, incluíndo colo do útero, E Difícil conceber hum Procedimento Cirúrgico ideal. QUANDO viável, não entanto, o Tratamento Cirúrgico primário DEVE consistir de ressecção completa de Todas quanto Doenças contendo Tecido. Como lesões macroscópicas na pelve DEVE Ser encenado cirurgicamente (1). Embora o Tratamento pós-operatório, Não foi claramente Definida, 70% destes patients were relatados parágrafo Receber quimioterapia OU radioterapia APOS Cirurgia Primeira Linha (1. 15).

A taxa de Sobrevivência de 5 anos parágrafo OS Doentes com neoplasia Associada à endométriose estimulada POR estrogênio resultantes em todos OS LOCAIS foi relatada Como Sendo 82% (1). Além Disso, OS PACIENTES COM adenocarcinoma endometrioid coexistindo com endométriose TEM UM Prognóstico favorável (16).

Para classificar hum tumor maligno Como decorrente de endométriose, criterios histopatológicos rigorosas precisam Ser atendidas (17). Estas incluem a Demonstração de Câncer Que surgem no Tecido e NÃO invasores de Outra fonte, e uma Presença de Tecido endometrial Que se assemelha estroma em torno das Glandulas epiteliais. contigua endométriose microscópica com o Tecido maligno TAMBÉM DEVE demonstrada sor. O Nosso Caso preencheu de Todos os criterios de diagnóstico.

O aumento da Associação de uso de TRH com Câncer extraovarian provenientes de endométriose Levanta Questões Interessantes Que DEVE Levar a Uma Investigação Mais aprofundada. Os patients com cistos endometriais dos Órgãos pélvicos Associados com altos níveis de CA125 sem soro DEVE Ser gerido com cuidado especial, MESMO como Mulheres na pré-menopausa sem História de terapia hormonal. E Necessário Mais Trabalho Para determinar se como Diferenças se traduzem em Uma Relação causal. Em CONCLUSÃO, apresentamos hum Caso Extremamente raro de adenocarcinoma Associado à endométriose fazer colo uterino mulher em Uma na pré-menopausa. O Comportamento clínico dos Tumores E imprevisível e Longo Prazo seguimento E ESSENCIAL em Todos Os patients. Case reports Adicionais e Estudos prospectivos São Necessários Para determinar como opções de Tratamento parágrafo ideal melhorar o Prognóstico do Paciente.

Referências

1. Heaps JM, Nieberg RK, Berek JS. Como neoplasias malignas provenientes de endométriose. Obstet Gynecol. 1990; 75: 1023-1028. [PubMed]

2. Brinton LA, Gridley G, Persson I, Baron J, o Risco Bergqvist A. Cancer APOS UM diagnóstico de Alta hospitalar da endométriose. Am J Obstet Gynecol. 1997; 176: 572-579. [PubMed]

3. Um Bergqvist, Rannevik L, Thorell J. estrogênio e Concentração do receptor de progesterona citosol sem Tecido endometrial e endométrio intra-uterino. Acta Obstet Gynecol Scand Suppl. 1981; 101: 53-58. [PubMed]

4. Gould SF, Shannon JM, Cunha GR. locais em endométriose Ligação humana estrogênio nuclear. Fertil Steril. 1983; 39: 520-524. [PubMed]

5. Mostoufizadeh M, Scully RE. Tumores malignos OS resultantes em endométriose. Clin Obstet Gynecol. 1980; 23: 951-963. [PubMed]

6. Jones KD, Owen E, Berresford A, adenocarcinoma Sutton C. endometrial decorrente de endométriose fazer cólon sigmóide. Gynecol Oncol. 2002; 86: 220-222. [PubMed]

7. Kurman RJ, Craig JM. Carcinoma de Células endometrioid e Clara do ovário. Câncer. 1972; 29: 1653-1664. [PubMed]

9. Ismail SM. Cone biópsia provoca endométriose cervical e metaplasia tuboendometrioid. O Exame histopatológico. 1991; 18: 107-114. [PubMed]

11. Hanau CA, Begley N, Bibbo M. cervicais endométriose: Armadilha UMA potencial na Avaliação de Células glandulares em esfregaços cervicais. Diagn Cytopathol. 1997; 16: 274-280. [PubMed]

12. Nishida M, Watanabe K, Sato N, Y. Ichikawa Transformação maligna da endométriose fazer ovário. Gynecol Obstet Invest. 2000; 50 (Supl 1): 18-25. [PubMed]

13. Brooks JJ, Wheeler JE. Malignidade provenientes de endométriose extragonadal: relato de caso e resumo da literatura mundial. Câncer. 1977; 40: 3065-3073. [PubMed]

14. Leiserowitz GS, Gumbs JL, um Oi R, JL Dalrymple, Smith LH, Ryu J, S Scudder, Russell AH. malignidades Relacionadas com a endométriose. Int J Câncer Gynecol. 2003; 13: 466-471. [PubMed]

15. Modesitt SC, Tortolero-Luna G, Robinson JB, Gershenson DM, Wolf JK. Ovário e endométriose extraovarian Associada Câncer. Obstet Gynecol. 2002; 100: 788-795. [PubMed]

16. Sainz de la Cuesta R, Eichhorn JH, Arroz LW, Fuller AF, Jr, Nikrui N, Goff BA. Transformação histológica da endométriose benigna de Câncer epitelial de ovário Cedo. Gynecol Oncol. 1996; 60: 238-244. [PubMed]

17. Yantiss RK, Clement PB, Jovem RH. alterações neoplásicas e pré-neoplásicas em endométriose gastrointestinal: um Estudo de 17 Casos. Am J Surg Pathol. 2000; 24: 513-524. [PubMed]

18. Wheeler JM, Malinak LR. Recorrente endométriose: Incidência, manejo e Prognóstico. Am J Obstet Gynecol. 1983; 146: 247-253. [PubMed]

20. Reimnitz C, Marca E, Nieberg RK, Hacker NF. Malignidade provenientes de endométriose Associada a REPOSIÇÃO de estrogênio sem Oposição. Obstet Gynecol. 1998; 71 (3 Pt 2): 444-447. [PubMed]

21. Cohen I, Altaras MM, Lew S, Tepper R, Beyth Y, carcinoma endometrioid Ben-Baruch G. ovário e endométriose em Desenvolvimento em hum Paciente com Cancro de Mama na pós-menopausa Durante o Tratamento com tamoxifeno: relato de caso e Revisão da literatura. Gynecol Oncol. 1994; 55 (3 Pt 1): 443-447. [PubMed]

22. Bese T, Simsek Y, Bese N, Ilvan S, Arvas M. endométriose pélvica extensa COM alteração maligna EM Mulheres na pós-menopausa tratadas com tamoxifeno. Int J Câncer Gynecol. 2003; 13: 376-380. [PubMed]

Artigos de Journal of Korean Ciências Médicas São fornecidas here cortesia de Academia coreana de Ciências Médicas

mensagens Relacionados

  • Adenocarcinoma do colo do útero in Situ …

    Departamento de Obstetrícia e Ginecologia, Divisão de Ginecologia Geral e Oncologia Ginecológica, Comprehensive Cancer Center de Viena, Unidade Cancro ginecológica University Medical Viena, Áustria …

  • Cervical Cancer Adenocarcinoma …

    Re: Adenocarcinoma do colo Eu Acredito Meios Não-invasivos that pegou Muito nenhum Início da fase de pré-câncer. Thie Significa that como Células estao começando a Mostrar como Mudanças Que poderiam Evoluir parágrafo Câncer se …

  • cervical adenocarcinoma in situ … 2

    Existe Outro tipo de Cancro do colo do útero that NÃO envolvem Células escamosas. adenocarcinoma adenocarcinoma in situ in situ (AIS) * representação Uma Condição pré-cancerosa that PODE Progredir para …

  • Câncer Cervical Introdução, cervical adenocarcinoma.

    Como Páginas seguintes Contém Informação Sobre: ​​Interativo Educação Sobre o Câncer do colo do útero: Anatomia do Sistema reprodutor Feminino O colo do útero E parte do trato reprodutivo feminino Que compõe …

  • Carcinoma do colo do útero, cervical adenocarcinoma.

    Colo do útero E a parte inferior do útero, Que abre parágrafo Dentro da vagina. O Tecido epitelial forma uma Camada exterior do colo do útero. ELE E POR Formado Dois Tipos de Células epiteliais: escamoso e colunar …

  • adenocarcinoma do colo do útero – Outro …

    Gostaria Muito de Ouvir de Outros Sobreviventes do Câncer do colo do útero, se Você Não se importa. O Que rápido Você experimentou e Aprendeu atraves de SUA Experiência Pessoal. Obrigado! Eu so acontecerá a vir Aqui e …