Avaliar e Gerir aguda …

Avaliar e Gerir aguda …

Avaliar e Gerir aguda ...

1 A Partir da Divisão de Medicina Geral e do Centro de Avaliação de Práticas Médicas, Serviços Médicos, Hospital Geral de Massachusetts, Harvard Medical School, Boston, Mass

Dr. Atlas Endereço para correspondência e Pedidos de reimpressão parágrafo: Geral Divisão de Medicina, Hospital Geral de Massachusetts, 50 Staniford St. Boston, MA 02114 (e-mail: gro.srentrap@saltas).

Abstrato

Palavras-chave: dor, Avaliação, Gestão, Avaliação, Cuidados Primarios lombar aguda

Nada Certo PODE Ser dito em Relação Ao diagnóstico de hum Caso (da dor lombar) Até Que o lapso de Algum tempo, deixou claro que nada Maïs desenvolver vai. Apos ISSO PODE, estabelecer-se Mais ou Menos descontente, com o diagnóstico de that Alguns ortopedistas Chamam de volta funcional. ESTA E UMA Entidade clínica Muito familiarizado, QUALQUÉR Que seja SUA causa verdadeira e Melhor nomenclatura PODE ser. 1

A dor lombar E UMA Condição médica Comum e caro. Enquanto a dor lombar raramente indica hum Distúrbio sepultura, E UMA das principais Causas de dor, e custódio incapacidade Sociais. A Prevalência anual de dor lombar Nos Estados Unidos E Estimado em 15% a 20%, 2 e, a Prevalência de e superiores a 60%. 3. 4 ósmio Custódio Associados à dor lombar incluem O Custo Direto da Assistência Médica e Os Custos indirectos do Tempo de Trabalho perdido, Pagamentos de Deficiência, ea Produtividade diminuiu. No local, de Trabalho, a lombalgia e A Doença Mais dispendiosa, com hum Custo medio de US $ 8,000 POR sinistro, ê ê Responsável Por Um Terço DOS custódio da Compensação dos Trabalhadores. 5 O Projeto de lei nacional anual Estimado PARA O cuidado de Problemas lombares E de US $ 38 a US $ 50 bilhões. 6

A dor lombar E uma quinta Razão Mais Comum Para todas como Consultas Médicas, ê ê um Segunda Razão Mais Comum sintomática (síntomas respiratórios Superiores São de Sagres). 7 Apesar de Mais da Metade das visitas parágrafo dor lombar São Pará Médicos de Cuidados Primarios, dor lombar constitui o Motivo Mais Comum parágrafo visitas a ortopedistas e neurocirurgiões. 8 Embora a dor nas Costas E UMA Razão principais Pará Visitar OS prestadores de Cuidados de Saúde, MUITOS individuos afetados Nunca procuram Cuidados Médicos. Em Uma Pesquisa telefônica aleatoria de Residentes da Carolina do Norte, APENAS 39% das Pessoas com dor lombar procurou atendimento médico. 9

Variação de Avaliação e Tratamento

Etiologia e fisiopatologia

dor lombar REFERÊ-se um síntomas na Coluna e paravertebrais na Região lombo-sacra. Aguda Significa Tipicamente Uma Duração de menos fazer that 2 a 4 Semanas, subaguda E de Até 12 Semanas, e crónica REFERÊ-se Tipicamente A MAIS de 12 Semanas. Varias classificações de diagnóstico parágrafo patients com dor lombar Existe. 33. 34 A Força-Tarefa Quebec em Problemas de Coluna categoriza patients com base de na História (Localização e Duração dos síntomas e do Estado de Trabalho), ACHADOS Clínicos e Resposta ao Tratamento. 34 O diagnóstico diferencial da dor lombar E AMPLO e inclui Causas Mecânicas e NÃO Mecânicos (Tabela 1) 29

O diagnóstico diferencial da dor lombar *

Prevalência de Causas potencialmente sepulturas de aguda dor lombar na Atenção Básica *

Condições Mecânicas

Para Tratamento inicial, a Presença OU ausencia de síntomas neurológicos PODE Ser Feita Uma distinção clinicamente Mais Útil fazer that o diagnostico, apresentados Extensa diferencial de na Tabela 1. Em contraste com a dor nas Costas NÃO Específicas, a etiologia de hum radiculopatia E MUITAS vezes identificada, com hum disco intervertebral herniado o Mais Comum. 32 O pico de incidencia E de 30 a 55 ano de Idade, com 98% envolvendo um L4-5 (L5 raiz nervosa) OU interspaces L5-S1 (S1 raiz nervosa). Em individuos Mais Velhos, radiculopatia PODE Ser devido a estenose espinal, um estreitamento do canal espinhal OU SEUS centro recessos Laterais that incide Sobre as raízes nervosas adjacentes. Otras Anomalias, Tais Como escoliose, quistos sinoviais faceta Comum, e espondilolistese PODEM causar radiculopatia, Como PODE Fraturas, Tumores, Infecção OU comprometimento vascular. 32 ocasionalmente, OS PACIENTES TEM Resultados radicular sem Uma etiologia Definida, O Que PODE Ser devido a Processos de Tecidos moles irritantes raízes nervosas à Medida Que SAEM da Coluna vertebral, Os Espaços Intermedios OU alterações ósseas degenerativas hipertróficas that comprometem o canal da raiz do nervo .

Condições NÃO Mecânicos

Tradicionalmente, a Maior parte da Avaliação da dor lombar TEM SIDO Alvo de Encontrar, Doenças da Coluna NÃO Mecânicos raras. De Modo Geral, Éles neoplasia incluem, Infecção e artrite inflamatoria, tal Como espondilite anquilosante (Tabela 1). A Prevalência destas Doenças sepulturas E Difícil de estimar (Tabela 2), especialmente no contexto dos Cuidados Primarios, mas todos São distintamente incomuns. A maioria dos Estados Associados um Outros Órgãos viscerais envolvem abdominais, pélvicas, or Processos retroperitoneais adjacente à lombada (Tabela 1). A maioria destas condições causam síntomas, Além de dor lombar. Os Pacientes sem síntomas OU Sinais sugestivos de lombalgia mecânica DEVE SER questionado Sobre os síntomas gastrintestinais e geniturinárias.

História físico e Exame

Idealmente, O rastreio de Doenças subjacentes Raros DEVE SER sensivel O Suficiente de para identificar Todos Os Casos (verdadeiros Positivos), embora Específica O Suficiente de para Evitar a identificação de Um Grande Número de Pessoas Que Vai passar uma mecânica inespecífica ter Uma causa (Falso-Positivos ). 37 ha Uma Compensação inerente Entre o aumento da Sensibilidade e diminuindo especificidade. Porque um Prevalência de Causas potencialmente sepulturas de dor lombar aguda E MUITO baixa no contexto dos Cuidados Primarios, a maioria dos patients com ACHADOS de História OU Exame sugestivos Venha a Uma ter causa mecânica NÃO Específica em Ensaios Complementares (Baixo valor preditivo positivo).

Diretrizes Recentes parágrafo dor lombar aguda Ajudar com este Processo de patients de forma Eficiente avaliando. 27 A História e Exame físico PODE identificar patients em Risco parágrafo Causas sepulturas de dor lombar e aqueles com comprometimento Neurológico Que Garante a Avaliação e Tratamento Mais detalhado. 36 Além Disso, A História e Exame físico PODE identificar OS Fatores Que PODEM Influenciar a ESCOLHA da terapia OU PODE amplificar OU prolongar a dor. Para a maioria dos patients, um EO Exame História físico E Suficiente Para excluir como bandeiras Vermelhas Que sugerem Distúrbios sepulturas (Tabela 3).

História e Exame físico ACHADOS Associados com Uma Chance aumentou parágrafo Uma Condição Séria Voltar *

A intenção das orientações de e melhorar a adequação dos testículos de diagnóstico na Avaliação inicial da dor lombar aguda, mas uma adesão rígida PODE Aumentar testículos de diagnóstico em Comparação com O Que OS Clínicos de Outra forma Fazer POR Conta Própria. 38. 39 Recomendamos that como orientações SER USADO Pará Aumentar Habilidades Clínicas e percepções em vez de Ser Aplicado de forma rígida.

Sistêmica UO visceral Doença

comprometimento Neurológico

Exame físico

Porque a maioria dos patients NÃO relatam síntomas de perna Irradiada UO Outros Fatores de risco parágrafo Uma Condição de volta seria, Bandeiras Vermelhas, um breve Exame físico E geralmente Suficiente. Os patients devem Ser avaliados when em pé e sem roupa para a simetria da Coluna, postura e flexibilidade. A palpação PODE avaliar espinal (osso) versus paravertebral (toupeira Tecido) uma dor e um SUA Gravidade. Infelizmente, a Presença e Localização de ternura Tecidos moles São POUCO reprodutível de médico Pará médico. Um Exame abdominal e / ou pélvica PODE Ser indicada se a História e sugestiva de patologia nestas áreas. Para dor nas Costas Associada a nádega UO na virilha síntomas, o Quadril DEVE Ser avaliada parágrafo a dor e amplitude de Movimento.

Para patients com síntomas de dor ciática OU UM teste positivo reta Levantar uma perna, um extremidade do motor Mais inferior detalhada, sensorial, e Exame Reflexo E garantido (Tabela 4). 45 O MUITAS Exame vezes PODE Ser focado com base de não obtido histórico. Por Exemplo, um Paciente em Idade de Trabalhar de Outra Maneira Saudável com a ciática e Mais provável ter Uma hérnia de disco Como, a etiologia de SUAS / SEUS síntomas. Porque Mais de 95% das hérnias de disco Envolver o interespaço L4-5 OU L5-S1, o L5 OU raiz Do nervo S1 estao envolvidos na grande maioria das hérnias de disco causando dor ciática.

Achados do Exame físico Associado a compressão de raízes nervosas Específicas

ACHADOS do Exame Consistentes com a síndrome da cauda equina incluem Fraqueza severa bilateral OU unilateral, Fraqueza progressiva A Partir de hum Exame anterior, or Uma bexiga distendida. anestesia sela e diminuiu o tônus ​​do esfíncter anal PODEM Estar ausentes inicialmente, mas se Presente refletir Dano fazer nervo progressiva.

Fatores Sociais e Psicológicos

Achados do Exame físico Associado a síntomas Voltar prolongado e má RESPOSTA uma Tratamento *

testículos de diagnóstico

Ao Estudar a possibilidade de hum teste de diagnóstico DEVE Ser Realizado Por Um Paciente com dor lombar aguda, E Útil considerar Como um information vai Influenciar a Gestão. O foco Aqui e em Exames de Imagem, Porque enguias São Mais comumente realizada e Mais caro fazer that a maioria dos testes de laboratorio.

Por radiográfica de Imagem PODEM NÃO Ser Úteis

radiografia PODE NÃO Ser Útil Para identificar a causa da Queixa de dor lombar de hum Paciente UO na Determinação de Gestão parágrafo Uma Variedade de Razões. As Duas Razões Mais Fortes São de that ACHADOS de Imagem São mal Associado a síntomas (Isto É, Específica NAO), e Causas Importantes Nao PoDE SER identificado COM radiografias simples (SEJA OU, NÃO Sensível).

hérnia de disco lombar OU estenose espinhal São radiologicamente detectada APENAS COM AVANÇADOS de Imagem, Como tomografia Computadorizada OU Ressonância Magnética. Estes Resultados were observados em Doentes assintomáticos. Em hum Estudo de individuos sem História de dor nas Costas Presente OU Passada, um disco abaulamento Encontrado foi em 40% a 50%, enquanto Uma hérnia de disco foi observado em 20% a 30%, com As Duas alterações Mais Comuns em individuos Mais Velhos. 52 A estenose espinhal, Uma causa Comum de dores nas Costas e perna em Pacientes Idosos, Encontrado foi em Mais de 20% dos individuos Normais Mais de 60 ano de Idade. 51. 52

Como radiografias simples São MUITAS vezes obtidos parágrafo Ajudar um Descartar Causas sepulturas de dor lombar. Porque os tais Causas sepulturas São distintamente incomuns no contexto dos Cuidados Primarios, o Rendimento A Partir de Estudos radiográficos E baixa. 56 o Em Uma Revisão das radiografias lombossacrais simples, o Rendimento de Descobertas inesperadas foi de APENAS 1 EM 2500 Pará patients Adultos com Idade inferior a 50 años. 57 Mais Importante, não entanto, como Causas Mais Comuns de irritação da raiz do nervo, um disco intervertebral herniado OU estenose espinal, Nao PoDE SER diagnosticado à partir de radiografias simples. Entre OUTRAS Causas sepulturas de dor lombar, radiografias simples PODE Perder Tumores precoces e Infecções da Coluna vertebral. Um custo-eficacia Análise mostrou Pequenos Benefícios Associados com custódio Mais Elevados e Exposição Adicional Radiação gonadal. 58

Radiographic Testing: QUANDO e that parágrafo Obter

Uso de radiografia Entre OS Médicos E Altamente Variável. 59 Para melhorar OS testículos de diagnóstico apropriado, Diretrizes Clínicas PARA O USO de radiografias were desenvolvidos, 27. 56, mas NÃO ESTÁ claro se ELES VAO melhorar adequação OU Diminuir a utilização Geral. 38. 39. 56. 60

A simples Radiografia

De Rotina simples radiografias Coluna lombossacral São adequadas QUANDO OS Factores de Risco Para uma fractura vertebral estao PRESENTES (Tabela 3), OU se o Paciente NÃO ESTÁ a melhorar APOS UM curso de Tratamento conservador. radiografias Iniciais DEVE Incluir SOMENTE 2 vistas, e hum ântero-posterior lateral. 56. 61 Obtenção de vistas Adicionais PODEM Ser Indicato when o Paciente Teve hum Procedimento de Fusão e instabilidade PODE Ser uma causa da dor (incluem lombo-sacra Séries de flexão / Extensão), OU APOS consulta com hum radiologista.

radiográficos ESTUDOS AVANÇADOS

Estudos Como tomografia Computadorizada OU Ressonância Magnética DEVE Ser obtida em Pacientes com História, Exame OU testículos Anteriores that sugerem Fortemente Uma causa Séria parágrafo dor nas Costas, Como a síndrome da cauda eqüina, tumor OU Infecção. Para patients com dor ciática provavelmente devido a Uma hérnia de disco OU estenose espinhal, um Menos Que como principais anormalidades neurológicas São identificados, a Imagem latente precoce E desnecessário Porque MUITOS patients melhoram com o Tratamento conservador. 32. 61 Se os tais patients NÃO melhoram com hum curso de Tratamento conservador, Estudos de Imagem São adequados. No entanto, Os prestadores de Cuidados Primarios PODEM razoavelmente encaminhar OS PACIENTES that PODEM Ser candidatos à Cirurgia (ver Secção de Referência) Para Cirurgiões ortopédicos OU neurológicos Antes da Obtenção de hum Estudo, Como Cirurgiões PODE desejar Solicitar hum Exame Específico Para Ajudar não Cirúrgico Planejamento .

Expectativas Reunião do Paciente

Outros Estudos laboratoriais

Página Outros Exames laboratoriais, Como a taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR), hemograma completo, Exame de urina OU PODE Ser testículos de rastreio de Votos Pará um Infecção, tumor OU Causas nonspinal de dor lombar. 56. 66 Como E O Caso de Imagens radiográficas, Não E Necessário Exames laboratoriais de Rotina parágrafo patients com dor lombar. USO seletivo E apropriado QUANDO A História UO o Exame Sugere hum Processo neoplásico, inflamatório OU infeccioso. O ESR E provavelmente o teste Mais Útil parágrafo triagem de Doença maligna OU Infecção, QUANDO A Suspeita E baixa (MAIS Sensível fazer that uma radiografia simples, mas NÃO Específica). 56 Exame de urina E Razoável se Infecção da bexiga OU rins E Suspeita, mas como tiras de teste Pará Proteínas Não São sensíveis Pará uma proteína de Bence-Jones não mieloma Múltiplo. Página Outros testículos Tais Como o Gálio / digitalização índio, eletromiografia, OU uma discografia (controverso parágrafo QUALQUÉR OSU) geralmente DEVE Ser realizada SOMENTE em consulta com hum Especialista. 61

TRATAMENTO

MUITAS opções terapéuticas estao available parágrafo patients com dor lombar, mas poucos were RIGOROSAMENTE estudados (Tabela 6). Como tentativas de meta-Análise da literatura Sobre Diversos Tratamentos conservadores TEM SIDO de valor limitado Porque OS ESTUDOS Originais São de Qualidade metodológica pobre. 27. 67 No entanto, a ênfase principais do treatment DEVE Ser conservador cuidado, tranquilidade, e Educação para oferecer Alívio dos síntomas e permitir that OS PACIENTES ritmo Para melhorar POR Conta Própria.

Os Tratamentos conservadores Para Dor Lombar

Telefone Avaliação e Gestão

algoritmo clínico Pará uma triagem inicial POR telefone e Gestão da dor lombar aguda.

Repouso no leito Durante breves periodos

Modificação Atividade

Como Repouso não foi deemphasized, TEM SIDO recomendada Uma leito Abordagem Mais Ativa parágrafo a Atividade Física. ESTAS RECOMENDAÇÕES São SIMILARES Aquelas na Virada do Século Passado, Quando a síndrome desuso era visto Como Uma causa Importante de dor lombar. 80 Como Situações Mais Comuns Para Evitar São prolongados Sentado OU em pé. Para Evitar prolongada Sessão no Trabalho UO em hum Veículo, OS PACIENTES devem Ser instruídos a Levantar-se em Intervalos Regulares (a Cada 30 Minutos) Para andar e movimentar SUAS costas. Porque a Mudança de posição PODE Aumentar a dor, a Atenção ao Levantar-se UO Sentar-se e faze-lo Lentamente PODE Evitar espasmos de volta Recorrente.

Atividades aeróbicas de baixa Tensão, especialmente a pé, E A Melhor Atividade Mais Cedo. Embora a Evidência E escassa, a maioria dos Especialistas recomendam modificação de Atividade senso Comum. 27 Os Doentes devem geralmente Evitar Atividades Pesadas, Como Trabalho pesado, escalada, or correr Até Que OS síntomas estao melhorando Ao Longo de hum Período de Alguns dias. Exercícios de volta Específicos Durante a fase aguda Não São susceptíveis de Ajudar e PODEM piorar OS síntomas. 77. 81 No entanto, o Exercício PODE Ser Importante na Prevenção de futuros episódios de dor nas Costas e melhorar OS síntomas Para aqueles com dor lombar chronic. 82. 83

Medicamentos

drogas NÃO Esteroides anti-Inflamatórios NÃO Esteroides (AINE) e acetaminofeno São OS Medicamentos de ESCOLHA PARA O Tratamento da dor lombar aguda. 27. 84 e acetaminofeno Agentes NÃO esteroidais were Results Display Resultados Ser igualmente Eficaz sem Tratamento de osteoartrite do Joelho, 85 mas Não Há Estudos semelhantes were realizadas parágrafo dor nas Costas. Agentes NÃO Esteroides São Mais comumente prescritos, 86, mas o paracetamol E o preferido em patients com dispepsia OU conhecido intolerância a aspirina UO Outros Agentes NÃO esteroidais.

Os relaxantes musculares e opióides São comumente prescritos para á Dor lombares, o MAS NAO Ter Sido mostrado Pará Ser Mais Eficaz fazer that O acetaminofeno e AINEs EM ESTUDOS Bem controlados. 84. 86 Para OS PACIENTES sem dor, relaxantes musculares (drogas Como o diazepam OU ciclobenzaprina) e Analgésicos narcóticos (acetaminofeno com codeína OU oxicodona) oferecem algumas Vantagens e TEM Mais Efeitos colaterais. QUANDO relaxantes musculares e opióides São utilizados, enguias devem Ser prescritos POR periodos Curtos, claramente definidos (Tipicamente Até 1 a 2 Semanas). Para uma dor Mais sepultura that impedem hum sono reparador, sedativos, incluíndo anti-histamínicos Como a difenidramina, PODE Ser Útil. relaxantes musculares Que causam sedação TAMBÉM PODE Ajudar com o desconforto noturno, e Analgésicos narcóticos PODEM Ser prescritos POR periodos Curtos em base de Uma regular, especialmente Pará como PESSOAS COM dor Que se IRRADIA Pará uma perna.

Físicos Tratamentos

Outros Tratamentos

MUITOS Outros Tratamentos estao Disponíveis Para a dor lombar, mas poucos TEM SIDO sistematicamente ESTUDADA. Estudos randomizados de injeções Esteroides epidural parágrafo patients com dor ciática TEM mostrado Resultados conflitantes. 27. 91. 92 O Estudo Mais recente mostrou Ligeira um Moderada Melhoria de Curto Prazo na dor NAS Pernas e déficit sensorial. 91 Apesar de Esteroides epidural São POR vezes utilizados Como hum Meio Para Evitar a Cirurgia, Nenhum Estudo foi Capaz de demonstrar ISSO. 91 injeções parágrafo dor lombar aguda sem ciática, incluíndo epidural, Articulações, Pontos de gatilho, OU injeções ligamentares, Não São comprovados. Ensaios Clínicos randomizados de faceta injeções conjuntas parágrafo dor lombar chronic NÃO mostraram nenhuma Vantagem Sobre injeções de placebo. 93. 94 Outros Tratamentos NÃO comprovados, Tais Como Esteroides orais, Estimulação Elétrica Nervosa transcutânea (TENS), biofeedback e Tracção NÃO DEVE Ser recomendada na lombalgia aguda, 27 e SUA eficacia Para uma dor chronic E incerto.

Acupunctura TEM SIDO Muito utilizada no Tratamento da Dor, incluíndo dor lombar. 95. 96 Poucos Estudos de Alta Qualidade TEM examinado o papel da acupuntura na dor lombar aguda. 27 Como injeções Esteroides epidural, a acupuntura E USADA parágrafo TRATAR uma dor ciática that NÃO respondeu a Outros Tratamentos conservadores. Quer se PODE Recolher a necessidade de Cirurgia E Desconhecido. Acupuntura Para dor lombar aguda NÃO Específica AINDA NÃO foi Provado. 95. 96

QUANDO encaminhar parágrafo hum Especialista

Encaminhamento Especialidade DEVE Ser Considerada parágrafo OS potenciais candidatos Surgical, aqueles Para quem o diagnóstico E incerto, or aqueles Que NÃO respondem à terapia.

QUANDO encaminhar Pará Avaliação Cirúrgica

QUANDO encaminhar Pará Avaliação de diagnóstico parágrafo persistente Dor Lombar

E conveniente considerar Encaminhamento, se Houver Suspeita de Doença Uma sepultura espinha (tumor, Infecção, fratura OU Outra lesão ocupando Espaço Suspeita). Para patients com dor ciática e como CONCLUSÕES da raiz nervosa equívocas OU ausentes (Força anormal, sensação, reflex) Que NÃO estao a melhorar com a terapia Conservadora, Encaminhamento parágrafo hum neurologista, fisiatra, or Cirurgião ortopédico OU Neurológico E apropriado. Ser PODEM referência apropriados parágrafo determinados patients Simplesmente Para tranquilizar quanto Populações.

Para lombalgia aguda that NÃO ESTÁ melhorando, Encaminhamento inicial E geralmente parágrafo Tratamentos Físicos. Os patients com síntomas persistentes apesar Tratamentos Físicos São MUITAS vezes referidos ortopedistas OU reumatologistas Pará Avaliação diagnóstica. Enquanto Razoável, essas avaliações São MUITAS vezes unrevealing e o Paciente Retorna PARA O Prestador de Cuidados Primarios com uma dor chronic nas Costas Rótulo. A Administração Desses patients ESTÁ Além do escopo Revisão Desta.

Como Expectativas do Paciente: o papel PARA A EDUCAÇÃO

Porque a dor lombar E auto-limitada na maioria dos patients de Cuidados Primarios, Uma meta Importante E estabelecer Expectativas razoáveis ​​dos patients. Interesse do Paciente em Provedores de medicina alternativa PODE refletir preocupações Sobre a adequação dos Cuidados no contexto dos Cuidados Primarios. Além de oferecer Tratamentos Diferentes, MUITOS prestadores Alternativos Fazer Diagnósticos Muito Específicos e COMUNICAR ESTA Certeza parágrafo OS patients. ISTO PODE explicar Uma Maior Satisfação Entre OS PACIENTES da quiropraxia em Comparação com patients de Cuidados Médicos Primarios alopáticos. 25. 88

Ensino Educacional: O Que como patients devem saber *

CONCLUSÕES

A epidemiologia e etiologia da dor lombar aguda indicam Que, Uma causa mecânica inespecífica auto-limitada E Encontrado na maioria dos patients de Cuidados Primarios. Causas sepulturas de dor lombar São distintamente incomuns e Uma busca exaustiva E raramente necessaria. Uma História Eficiente e Exame físico PODE determinar a causa provável da Queixa, se OS testículos de diagnóstico São Necessários e Quais Tratamentos São Necessários. ISSO Deixa ritmo parágrafo discutir Tratamentos conservadores e fornecer Educação Que OS PACIENTES precisam lidar com SEUS síntomas enquanto enguias melhorar. Estudos radiográficos e Exames laboratoriais NÃO DEVE Ser rotineiramente ordenou parágrafo patients com dor lombar aguda. Em vez Disso, USO seletivo de testículos devem basear-se na História e Exame físico e RESPOSTA inicial treatment ao. Para OS PACIENTES that NÃO estao melhorando com o Tratamento conservador inicial APOS 2 a 4 Semanas, Referência parágrafo Tratamentos Físicos E apropriado. Avaliação Cirúrgica E geralmente reservado parágrafo patients com ACHADOS neurológicos progressivos OU dor radicular that NÃO melhorou com o Tratamento conservador. Pacientes com dor nas Costas nonradicular that NÃO melhorou com Tratamentos Físicos conservadores, or nsa Quais o diagnóstico E incerto, PODE TAMBÉM Ser apropriada Pará Avaliação Especializada.

AGRADECIMENTOS

REFERÊNCIAS

1. Cabot RC. diferencial Diagnóstico. Apresentado atraves de Uma Análise de 383 Casos. Vol. 99. Philadelphia, PA: W. B. Saunders; 1911.

2. Andersson GBJ. A epidemiologia de Distúrbios da Coluna vertebral. In: Frymoyer JW, Ducker TB, Hadler NM, Kostuik JP, Weinstein JN, Whitecloud TS, editores. O adulto Spine: Princípios e Prática. Philadelphia, PA: Lippincott-Corvo; 1997. pp. 93-141.

3. Cassidy JD, Carroll LJ, Cote P. O Saskatchewan Saúde e pesquisa Dor nas Costas. A Prevalência de dor lombar e incapacidade relacionada em Adultos Saskatchewan. Coluna vertebral. 1998; 23: 1860-7. [PubMed]

4. Leboeuf-Yde C, Lauritsen JM. A Prevalência de lombalgia na literatura: Uma Análise estruturada de 26 ESTUDOS nórdicos de 1954 a 1993. Spine. 1995; 20: 2112-28. [PubMed]

5. Webster BS, Snook SH. O Custo de 1.989 reivindicações Compensação lombalgia. Coluna vertebral. 1994; 19: 1111-6. [PubMed]

6. Frymoyer JW, Durett CL. A economía de Problemas de Coluna. In: Frymoyer JW, Ducker TB, Hadler NM, Kostuik JP, Weinstein JN, Whitecloud TS, editores. O adulto Spine: Princípios e Prática. Philadelphia, PA: Lippincott-Corvo; 1997. pp. 143-50.

7. Hart LG, Deyo RA, Cherkin DC. visitas Ao Consultorio Médico parágrafo dor lombar. Frequência, Avaliação Clínica e Tratamento Padrões de Uma Pesquisa Nacional EUA. Coluna vertebral. 1995; 20: 11-9. [PubMed]

9. Carey TS, Evans AT, Hadler NM, et al. dor lombar aguda sepultura de volta. Um Estudo de Base populacional da Prevalência e de Procura de Cuidados. Coluna vertebral. 1996; 21: 339-44. [PubMed]

11. Deyo RA, Phillips WR. Baixa dor nas Costas. Um desafio de Cuidados Primarios. Coluna vertebral. 1996; 21: 2826-32. [PubMed]

12. Kelsey JL. Epidemiologia das perturbações músculo-esqueléticas. New York, NY: Oxford University Press; De 1992.

16. Von Korff M, Saunders K. O curso de dor nas Costas na Atenção Primária. Coluna vertebral. 1996; 21: 2833-7. [PubMed]

17. Carey TS, Garrett JM, Jackman A, Hadler recorrência e OS Cuidados Que procuram Apos uma dor lombar aguda: Resultados de hum Estudo de Acompanhamento de Longo Prazo. Care Med. 1999; 37: 157-64. [PubMed]

19. Eisenberg DM, Kessler RC, Foster C, et al. medicina convencional NÃO Nos Estados Unidos. Prevalência, custódio e Padrões de uso. N Engl J Med. 1993; 328: 246-52. [PubMed]

21. Cherkin DC, Deyo RA, Loeser JD, de Bush, T, Waddell G. Uma Comparação internacional de taxas de Cirurgia de volta. Coluna vertebral. 1994; 19: 1201-6. [PubMed]

22. Ciol MA, Deyo RA, Howell E, Kreif S. Uma Avaliação da Cirurgia do Pará estenose espinhal: Tendências temporais, Variações Geográficas, Complicações e reoperações. J Am Soc Ger. 1996; 44: 285-90. [PubMed]

23. Taylor VM, Deyo RA, Cherkin DC, Kreuter W. lombalgia hospitalização. Tendências Recentes Estados Unidos e Variações Regionais. Coluna vertebral. 1994; 19: 1207-1213. [PubMed]

24. Volinn E, Mayer J, Diehr P, Van Koevering D, Connell FA, Loeser JD. uma Análise da área Pequena de Cirurgia do Pará dor lombar. Coluna vertebral. 1992; 17: 575-81. [PubMed]

26. Von Korff M, Barlow W, Cherkin D, Deyo RA. Efeitos do estilo de Práticas de Gestão de dor nas Costas. Ann Intern Med. 1994; 121: 187-95. [PubMed]

27. Bigos SJ, OU Bowyer, Braen GR, et al. Clinical Practice Guideline NÃO. 14. Rockville, MD: Departamento de Saúde e Serviços Humanos; 1994. Problemas lombares aguda em Adultos. Publicação AHCPR Nao. 95-0642.

28. Batchelor TT, Louis DN. Uma mulher de 67 ano de Idade com a síndrome da cauda eqüina. N Engl J Med. 1997; 337: 1829-1837. [PubMed]

29. Deyo RA. Avaliação diagnóstica precoce de dor lombar. J Gen Intern Med. 1986; 1: 328-38. [PubMed]

30. Deyo RA, Loeser JD, Bigos SJ. Hérnia de disco intervertebral lombar. Ann Intern Med. 1990; 112: 598-603. [PubMed]

32. Frymoyer JW. Dor nas Costas e ciática. N Engl J Med. 1988; 318: 291-300. [PubMed]

33. Fardon DF. O diagnóstico diferencial de Distúrbios lombares. Princípios da classificação. In: Frymoyer JW, Ducker TB, Hadler NM, Editores. O adulto Spine: Princípios e Prática. Filadélfia, Pa: Lippincott-Corvo; 1997. pp. 1745-1768.

34. WO Spitzer. Abordagem Científica Para a Avaliação e Gestão dos Problemas de Coluna Relacionadas com a Actividade: Uma monografia Clínicos OS Pará. Relatório da Força-Tarefa de Quebec em Problemas de Coluna. Coluna vertebral. 1987; 12 (7 Suppl): 1-59. [PubMed]

35. Branco AA, Gordon SL. Sinopse: Oficina Sobre dor lombar idiopática. Coluna vertebral. 1982; 7: 141-9. [PubMed]

36. Deyo RA, J Rainville, Kent DL. O Que PODE A História e Exame físico nsa Dizer Sobre a dor lombar? JAMA. 1992; 268: 760-5. [PubMed]

37. Lurie JD, Sox HC. Princípios de Tomada de decisão médica. Coluna vertebral. 1999; 24: 493-8. [PubMed]

38. Schroth WS, Schectman JM, Elinsky EG, Panagides JC. Utilização de Serviços Médicos PARA O Tratamento de Actue dor lombar: a conformidade com quanto Diretrizes Clínicas. J Gen Intern Med. 1992; 7: 486-91. [PubMed]

39. Suarez-Almazor ME, Belseck E, Russell AS, Mackel JV. Uso de radiografias lombares PARA O diagnóstico precoce da dor lombar. orientações Propostas Iria Aumentar a utilização. JAMA. 1997; 277: 1782-6. [PubMed]

40. Deyo RA, Diehl AK. Câncer Como Uma causa de dor nas Costas: Frequência, apresentação clínica e Estratégias de diagnóstico. J Gen Intern Med. 1988; 3: 230-8. [PubMed]

41. Calin A, Porta J, Fries JF, Schurman DJ. A historia clínica Como hum teste de triagem parágrafo espondilite anquilosante. JAMA. 1977; 237: 2613-4. [PubMed]

42. Gran JT. Uma Pesquisa epidemiológica Sobre os Sinais e síntomas da espondilite anquilosante. Clin Reumatol. 1985; 4: 161-9. [PubMed]

43. Katz JN, Dalgas M, Stucki G, et al. lombar degenerativa estenose espinhal. Valor diagnóstico da História e Exame físico. Arthritis Rheum. 1995; 38: 1236-1241. [PubMed]

44. Kostuik JP, Harrington I, Alexander D, Rand W, síndrome de Evans D. da cauda eqüina e hérnia de disco lombar. J Bone Joint Surg Am. 1986; 68: 386-91. [PubMed]

45. Andersson GB, Deyo RA. História e Exame Físico em PACIENTES COM hérnia de discos lombares. Coluna vertebral. 1996; 21: 10S-18S. [PubMed]

46. ​​Deyo RA, Diehl AK. Preditores psicossociais de incapacidade em patients com dor lombar. J Reumatol. 1988; 15: 1557-1564. [PubMed]

47. Engel CC, von Korff M, Katon WJ. Dor nas Costas NA Atenção Primária: preditores de altos custódio de Cuidados de Saúde. Dor. 1996; 65: 197-204. [PubMed]

50. Waddell G, McCulloch JA, Kummel E, Venner RM. Sinais Físicos Não-Orgânicos lombar em dor. Coluna vertebral. 1980; 5: 117-25. [PubMed]

51. Boden SD, McCowin PR, Davis DO, Dina TS, Mark AS, Wiesel S. Anormais Exames de Ressonância Magnética da Coluna lombar em individuos assintomáticos. J Bone Joint Surg Am. 1990; 72: 1178-1184. [PubMed]

52. Jensen MC, Brant-Zawadzki MN, Obuchowski N, Modic MT, Malkasian D, Ross JS. A Ressonância Magnética da Coluna lombar em PESSOAS SEM NAS Dor costas. N Engl J Med. 1994; 331: 69-73. [PubMed]

53. Osterman K, Schlenska D, Poussa M, Seitsalo S, espondilolistese Virta L. Isthmic em individuos sintomáticos e assintomáticos, epidemiologia e História natural, com especial Referência à anormalidade disco e Modo de Tratamento. Clin Orthop. 1993; 297: 65-70. [PubMed]

55. van Tulder MW, Assendelft WJ, Koes BW, Bouter LM. ACHADOS da Coluna vertebral radiográficos e dor lombar NÃO Específica: Uma Revisão Sistemática de Estudos observacionais. Coluna vertebral. 1997; 22: 427-34. [PubMed]

56. Deyo RA, Diehl AK. filmes da Coluna lombar na Atenção Primária: USO Atual e Os Efeitos do Critério de ordenação Seletiva. J Gen Intern Med. 1986; 1: 20-5. [PubMed]

57. Nachemson A. A Coluna lombar: um desafio ortopédico. Coluna vertebral. 1976; 1: 59-71.

58. Liang H, Komaroff AL. Radiografia em patients de Cuidados Primarios com dor lombar aguda: Uma Análise de custo-eficacia. Arch Intern Med. 1982; 142: 1108-1112. [PubMed]

59. Cherkin DC, Deyo RA, Wheeler K, Ciol MA. Variação médico em testículos de diagnóstico Para a dor lombar. Quem rápido Você Vê É O Que rápido Você recebe. Arthritis Rheum. 1994; 37: 15-22. [PubMed]

61. Deyo RA, Bigos SJ, Maravilla KR. Procedimentos de Diagnóstico por Imagem do Pará a Coluna lombar. Ann Intern Med. 1989; 111: 865-7. [PubMed]

62. Herzog RJ. A Avaliação radiológica parágrafo Uma hérnia de disco lombar. Coluna vertebral. 1996; 21 (24 Suppl): 19S-38S. [PubMed]

63. Edelman RR, Warach S. Um Ressonância magnética (1) N Engl J Med. 1993; 328: 708-16. [PubMed]

65. Deyo RA, Diehl AK, Rosenthal M. Recolher o Uso de radiografia. como Expectativas do Paciente PODE Ser Alterado? Arch Intern Med. 1987; 147: 141-5. [PubMed]

66. van den Hoogen HM, Koes BW, van Eijk JT, Bouter LM. Na Precisão da História, Exame físico e taxa de sedimentação de eritrócitos sem diagnóstico de lombalgia na Geral Prática. Uma baseada Avaliação em criterios da literatura. Coluna vertebral. 1995; 20: 318-27. [PubMed]

67. van Tulder MW, Koes BW, Bouter LM. O Tratamento conservador da dor lombar NÃO Específica aguda e chronic. Uma Revisão Sistemática de Ensaios Clínicos randomizados de intervenções Mais Comuns. Coluna vertebral. 1997; 22: 2128-56. [PubMed]

68. Wasson J, Gaudette C, Whaley F, Sauvigne A, Baribeau P, Welch HG. atendimento de telefone Como hum substituto Pará uma clínica de Rotina de follow-up. JAMA. 1992; 267: 1788-1793. [PubMed]

69. Balas EA, Jaffrey F, Kuperman GJ, et al. A Comunicação electrónica com o Paciente. Avaliação da Tecnologia distância medicina. JAMA. 1997; 278: 152-9. [PubMed]

72. Volinn E. Entre a Idéia ea Realidade: a Investigação em Repouso sem leito parágrafo dor lombar aguda sem Complicações e implicações parágrafo OS Padrões de Prática Clínica. Clin J Pain. 1996; 12: 166-70. [PubMed]

73. Nachemson A. A discotecas carga Sobre os lombares em Diferentes Posições do Corpo. Clin Orthop. 1966; 45: 107-22. [PubMed]

74. Nachemson A. Trabalho Para Todos. Para aqueles com dor lombar also. Clin Orthop. 1983; 179: 77-85. [PubMed]

75. Deyo RA, Diehl AK, Rosenthal M. QUANTOS dias de Repouso sem leito parágrafo dor lombar aguda? N Engl J Med. 1986; 315: 1064-1070. [PubMed]

79. Vroomen P, de Krom M, Wilmink JT, Kester AD, Knottnerus JA. A falta de eficacia do Repouso Para uma ciática. N Engl J Med. 1999; 340: 418-23. [PubMed]

80. Atlas SJ, Volinn E. Classics Para uma literatura espinha revisitada: um Ensaio randomizado de 2 versus 7 dias de Repouso Recomendado parágrafo dor lombar aguda. Coluna vertebral. 1997; 22: 2331-7. [PubMed]

81. Faas A, Chavannes AW, van Eijk JT, Gubbels JW. Um Estudo randomizado, Controlado POR placebo da terapia de Exercício em patients com dor lombar aguda. Coluna vertebral. 1993; 18: 1388-1395. [PubMed]

82. Faas A. Exercícios: Quais São vale a pena tentar, para quê OS Doentes e quando? Coluna vertebral. 1996; 21: 2874-8. [PubMed]

83. Lahad A, Malter AD, Berg AO, Deyo RA. A eficacia das Quatro intervenções parágrafo a Prevenção da dor lombar. JAMA. 1994; 272: 1286-1291. [PubMed]

85. Bradley JD, Brandt KD, Katz BP, Kalasinski LA, Ryan SI. Comparação de doses Uma anti-inf lamatória de ibuprofeno, a dose Uma analgésica de ibuprofeno, acetaminofeno e sem Tratamento de patients com osteoartrite do Joelho. N Engl J Med. 1991; 325: 87-91. [PubMed]

86. Cherkin DC, Wheeler K, Barlow W, Deyo RA. O Uso de medicação Pará uma dor lombar na Atenção Primária. Coluna vertebral. 1998; 23: 607-14. [PubMed]

87. Shekelle PG, Adams AH, Chassin MR, Hurwitz EL, Brook RH. Manipulação da Coluna vertebral parágrafo a dor lombar. Ann Intern Med. 1992; 117: 590-8. [PubMed]

88. Cherkin DC, Deyo RA, Battie M, Rua J, Barlow W. Uma Comparação entre fisioterapia, Manipulação quiroprática, e Fornecimento de Uma cartilha educativa PARA O Tratamento de patients com dor lombar. N Engl J Med. 1998; 339: 1021-9. [PubMed]

89. Skargren EI, Carlsson PG, Oberg BE. Um ano de Comparação de acompanhamento do Custo e eficacia da Gestão Como principais quiropraxia e fisioterapia parágrafo dor nas Costas. Análise de subgrupo, a recorrência, e utilização Adicional de Cuidados de Saúde. Coluna vertebral. 1998; 23: 1875-1883. [PubMed]

90. Sinclair SJ, Hogg-Johnson SH, Mondloch MV, Shields SA. A eficacia de hum Programa de Intervenção Precoce activa parágrafo OS Trabalhadores com lesões de Tecidos moles. O Estudo inicial Requerente Cohort. Coluna vertebral. 1997; 22: 2919-31. [PubMed]

91. Carette S, Leclaire R, S Marcoux, et ai. injeções de corticóide epidural parágrafo dor ciática devido Ao núcleo pulposo herniado. N Engl J Med. 1997; 336: 1634-1640. [PubMed]

92. Cuckler JM, Bernini PA, Wiesel SW, Booth Re, Jr, Rothman RH, Pickens GT. A utilização de Esteroides epidural sem Tratamento da dor lombar radicular. Um Estudo randomizado, prospectivo, duplo-cego. J Bone Joint Surg Am. 1985; 67: 63-6. [PubMed]

93. Carette S, S Marcoux, Truchon R, et al. Um Estudo Controlado de injeções de corticosteróides em Articulações parágrafo dor lombar chronic. N Engl J Med. 1991; 325: 1002-7. [PubMed]

94. Lilius G, Laasonen EM, Myllynen P, Harilainen A, Gronlund G. lombar faceta síndrome da Articulação. Um Ensaio clínico randomizado. J Bone Joint Surg Br. 1989; 71: 681-4. [PubMed]

95. Conferência de Consenso NIH. Acupuntura. JAMA. 1998; 280: 1518-1524. [PubMed]

96. van Tulder MW, Cherkin DC, Berman B, Lao L, Koes BW. A eficacia da acupuntura no Tratamento da dor lombar aguda e chronic. Coluna vertebral. 1999; 24: 1113-1123. [PubMed]

97. Cherkin DC, Deyo RA, Rua JH, Hunt M, Barlow W. Armadilhas da Educação do Paciente: o Sucesso limitada de hum Programa de dor nas Costas na Atenção Primária. Coluna vertebral. 1996; 21: 345-55. [PubMed]

98. Daltroy LH, Iversen MD, Larson MG, et al. Um Estudo Controlado de hum Programa Educacional parágrafo Evitar lesões lombar. N Engl J Med. 1997; 337: 322-8. [PubMed]

99. van Poppel MN, Koes BW, van der Ploeg T, Smid T, Bouter LM. Suportes lombares e Educação para a Prevenção da dor lombar na Indústria: um Estudo Controlado randomizado. JAMA. 1998; 279: 1789-1794. [PubMed]

101. Spunt BS, Deyo RA, Taylor VM, Leek KM, Goldberg HI, Mulley AG. Um Programa videodisc Interativo parágrafo patients com dor lombar. Saúde Res Educ. 1996; 11: 535-41. [PubMed]

Artigos de Journal of General Internal Medicine São fornecidas here cortesia de Society of General Internal Medicine

mensagens Relacionados

  • O diagnóstico de síndrome coronariana aguda …

    APRESENTAÇÃO LIVRE. Membros AAFP e assinantes pagos: o Faça o login do Pará ter Acesso grátis. De Todos os Outros: comprar o Acesso online. APRESENTAÇÃO LIVRE. Comprar Acesso Pará on-line ler a version of this article completa ….

  • Diagnóstico e Tratamento da Aguda … 12

    Artigo Seções Ordenar: RECOMENDAÇÕES de Fundamentos parágrafo bandeiras vermelha da Prática São Comuns em patients com dor lombar aguda e NÃO indicam necessariamente sepultura patologia; Portanto, OS Médicos devem …

  • Avaliação e Tratamento da Aguda …

    APRESENTAÇÃO LIVRE. Membros AAFP e assinantes pagos: o Faça o login do Pará ter Acesso grátis. De Todos os Outros: comprar o Acesso online. APRESENTAÇÃO LIVRE. Comprar Acesso Pará on-line ler a version of this article completa ….

  • Histoplasmose – aguda (Primária) …

    Histoplasma capsulatum E o Nome do fungo Que provoca a histoplasmose. PoDE Ser encontrada na zona leste e central dos Estados Unidos, leste do Canadá, México, América Central, América do Sul, …

  • Diagnosticar aguda Monoartrite …

    Artigo Seções aguda monoartrite PODE Ser uma Manifestação inicial de MUITAS Doenças Comuns. O Primeiro Passo no diagnóstico E VerificAR that A Origem da dor E a Articulação, NÃO torno …

  • Diagnóstico e Tratamento da Aguda …

    Artigo Seções A tosse E o sintoma Mais Comum trazendo patients Ao Consultório do Médico de Cuidados Primarios, e bronquite aguda E geralmente o diagnóstico Nestes patients. Bronquite aguda …